terça-feira, 29 de novembro de 2011

Entrega-te...

Entrega-te em meus braços,
Perde-te em meu corpo,
Foge por por mim adentro,
Solta-te e liberta-te no meu ser.
Entrega-te, toma-me,
Sorve-me louca e desmesuradamente.
Quero sentir-te,
Dentro de mim, deste meu corpo
Insano e demente, desejoso de ti.
Firma-te em mim,
No meio das minhas ancas
E detém-te... Pára...
Sente-me saborear-te,
Deixa que meu corpo comande,
Que meu corpo seja o percursor
Desta louca e intensa entrega.
Deixa-me sentir-te, comandar-te,
Deslizar em ti, por ti em mim...
Pára. Detém-te.
Sente-me o prazer a contorcer,
A te prender, a descer e a escorrer...
Sou tua, agora em teus braços me largo,
Me entrego e deslaço,
Apenas para te sentir,
Em mim, ver-te, sentir-te o prazer.
Ao ouvido te dizer:
Dá-me, Mostra-me o teu querer
Vem para mim,
Entrega-te..


28/11/2011

4 comentários:

  1. Como gosto de te ler... Intensamente delicioso... (...)''entrega-te, toma-me''(...)

    ResponderEliminar
  2. De que vale uma entrega
    Quando tamanho fervor não chega?
    Mas sei que não és cega
    E talvez desponte o dia
    Em que a minha pretensão não receba uma nega.

    Beijos CATivantes... aguardam...

    ResponderEliminar