quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Quase não tem valor









Há uma brisa no ar
Que a envolve nesse aroma
Que a faz viver o amor
Desse homem que ela relembra.
O paladar desperta o gosto
De beijos trocados ao luar,
De abraços que foram demasiado curtos,
Que desejaria ter feito durar.
A pele volta a arrepiar
Ao imaginar os seus dedos,
Deslizando ágeis, certeiros,
Pelo seu corpo a desenhar
Tatuagens fictícias de fantasias
Que na cama de ambos tinham lugar.
E o corpo padece da ausência
Como a Alma desse amor,
O coração apenas bate
E a vida,
Essa,
Quase não tem valor...










11.Agosto.14

Para sempre, perdida



E o medo invade-a
Como uma onda que se agiganta,
Dentro do corpo,
Crescendo intenso até à garganta.
O medo de ser esquecida,
Mais uma no rol das amadas,
No desfile de mulheres deitadas naquela cama,
Sem mais nada que lhes una as almas.
Medo de agora ser um retrato,
Guardado sem zelo,
Perdido no meio de outros tantos,
Guardados na memória do que foram um dia.
Medo de não já não ter importância
O que lhe chamaram um dia:
Deusa, Mulher perfeita,
Insubstituível e magnífica...
Mas sobretudo medo,
Medo de que este amor por ele não passe,
E ela fique nele,
Para sempre,
Perdida.



4.Agosto.14

Ali, presente


Há momentos
Em que a pele ainda recorda
Os arrepios de um deslizar de dedos,
De um toque que a vontade denuncia. 

E a boca é onde o seu sabor perdura,
Guardado no recanto da memória,
Como uma iguaria,
Impossível de copiar, única.

O corpo, esse, oscila,
Ondula ao sabor dos dedos
Que invadem os recantos,
Outrora secretos e
Por ele,
Pela sua língua,
Descobertos.
Há momentos em que as saudades
Suplantam a memória
E ela,
Ela sente-o
Como se estivesse
Ali,
Presente,
Dentro dela.


31.Julho.14

Quere-o



Quere-o,
Com uma vontade crescente,
Com um desejo que lhe consome a mente,
Que a absorve e invade por todo,
Completamente.

Quere-o,
De novo nos seus braços,
Entrelaçando-o nesses abraços
Que o seu corpo tenta,
De todas as formas,
Abranger,
Por inteiro.

Quere-o
Ao seu sabor,
Misturado no seu palato,
Molhado, Inundado,
Pelo seu beijo,
Mesclado com o salgado da pele que goteja
De tanto calor provocado
Pela emoção de se amarem.

Quere-o
De forma urgente,
Premente de quem ama
Com a alma, o corpo e a mente,
Como se nunca fosse suficiente,
Como se o cansaço não se acumulasse,
Não se sentisse,
Não se fizesse presente.

Quere-o
Como se o agora fosse ontem
E o amanhã,
Esse,
Nunca visse a sua hora chegar!



28.Julho.14

Ainda se sentem




Ela ainda o sente
Pulsando dentro de si,
Dentro do seu ventre quente,
Molhado de um prazer sem fim.

Ele ainda estremece
Em subtis convulsões,
Que só dois corpos conhecem
Aquando uma entrega assim.

Eles ainda se beijam,
Ainda se tocam
Procurando perpetuar
O momento perfeito
De um no outro se amar,
De dois num só se tornarem.



28.Julho.14

Labirintos




Os teus olhos são de mar,
Salgado e frio
Penetrando no meu olhar,
Perscrutando-me os sentidos,
Adivinhando-me o pensar.

Na pele há arrepios
De caminhos percorridos,
Sulcos vincados de destino
De dois corpos abraçados. 

Mãos fortes, grandes
Agarrando-me pedaços,
Marcando-me a alma,
Numa entrega para além do físico,
A esses teus dedos
Suaves e delicados,
Em mim, deslizando.

E os teus lábios,
Doces,
Quentes,
Molhados,
Os teus lábios são labirintos.



22.Julho.14

Descobre-me



Descobre-me!
Destapa-me a alma,
Os sonhos guardados,
Escondidos,
No tempo parados.


Descobre-me!
Desamarra-me estes nós
Que me encerram os desejos,
Que me adormecem os sentidos.

Descobre-me!
Desperta o sentir,
O arrepiar da pele
Envolta em mistério,
Num duelo de corpos,
Desejosos de se ter,
Ansiosos por se tocar,
Por se entregar
E descobrir.

Descobre-me,
As linhas do rosto,
Os contornos do corpo,
O caminho do prazer,
Esse,
Que por palavras
Te faz enlouquecer.

Anda,
Vem,
Deixa de (me) sonhar,
Descobre-me!


(Inspiração da responsabilidade das palavras de Antonio Nascimento!)



19.Julho.14

Quente




Quente
A pele sobre a carne
Que deseja momentos de entrega,
De luxúria sem medos,
Sem amarras.
Quente
O sussurrar dos teus lábios
Que anseio junto aos meus
E molhando-me os seios
Aumentas-me o desejo.
Quente
A tua língua de ritmos diversos,
Ora lenta brincando,
Ora veloz excitando,
É mestre no me tocar.
Quente
O líquido que de mim vai vertendo
Sob a agilidade dos teus dedos,
Da tua boca que me sugando
Deixam-me mais que pronta.
Quente
O meu ventre que te recebe,
Que te puxa para dentro,
Todo,
Fundo,
Forte,
Tomando-me sem rédeas,
Apenas vivendo o momento.
Quente
O meu me vir no teu sexo,
Molhado de mim
E que jorra,
No meu corpo suado,
Por ti tomado,
Por ti amado,
Gotas de um prazer sem fim.



8.Julho.14

Falar-te de amor







De que vale falar-te de amor?
Do meu amor,
Quando para ti já não faz sentido,
Já não há nada em mim que me dignifique,
Que te faça olhar-me.
E as saudades que tenho do teu olhar...
Desse da cor do mar
Que me hipnotiza,
Que me faz desejar nele mergulhar
E não ter medo de naufragar.
De que vale falar-te de amor?
Do amor que me invade,
Que não tem meio de acabar,
De me largar,
De me deixar
E parar de magoar.
E como desejo que pare de jorrar
Como se o coração parasse de bombear,
E o peito de respirar,
E suspensa: sem dor e sem sentir,
Sem sofrer e sem viver,
Pudesse o tempo passar,
Tão rápido que não se sentisse,
E o sentimento,
Quando eu acordasse,
Já não existisse.
De que vale falar-te de amor?
Se o teu por mim já morreu,
Se o meu por ti já não entusiasma,
Já não te abala a alma,
Já não o queres teu.
De que vale?



4.Julho.14

Choro




São lágrimas salgadas
Que pelo meu rosto escorrem,
Marcas de um sonho
Que dia-a-dia morre.
Lágrimas que penam
A cada hora
Os momentos vividos
Em nome de um amor.
Gotas que sulcam caminhos
Por entre as rugas do desespero,
Da desilusão de uma morte indesejada.
Choro,
Mas não por ti,n
Não por já não te ter
Ou pertencer.
Choro por mim,
Pelo que acabo de perder,
Por tudo o que me fizeste sentir
E que sei,
Como a maior verdade,
Jamais voltarei a viver.
Choro,
Porque sem ti vou-me deixar morrer,
De que vale respirar,
De que vale o coração bater
Se ao meu lado não vais estar?
Choro,
Porque a vida,
A cada dia
Longe de ti
De mim se esvai,
E não há vontade
De querer senão,
Apenas (sobre)viver.



4.Julho.14

A boca sela-se




E a minha boca sela-se,
Cala-se para sempre.
Não mais se ouvirão palavras
Soltas ao sabor dos sentidos,
Largadas em tua direcção.
Não mais serão ditas
Com o sentir, a emoção
De um amor inigualável,
Como o meu por ti.
Os lábios não se voltarão
A unir e a abrir
Para que som idêntico
Deles possa fugir,
Por entre eles possa fluir.
Guardarei em mim,
Bem no fundo de mim,
No meu mais íntimo ser,
No âmago da minha alma,
As palavras que te dirigi,
As emoções que por ti vivi,
Os sentires que em nós senti.
Serão minhas,

Para sempre minhas,
E de mim jamais sairão
De novo palavras enamoradas,
Palavras por amor conjugadas,
Palavras que definam o que é amar.
Amar é a Ti,
Somente a Ti,
Meu perfeito e único grande Amor.



4.Julho.14

Faz-me tua


Toca-me,
Desliza os teus dedos,
Pelo meu pescoço,
Afastando os cabelos,
Dando espaço para os teus beijos,
Que deixam na pele
Trilhos dessa saliva
Que me vicia os sentires.

Beija-me,
Os seios suavemente desnudados,
Os mamilos delicadamente expostos,
Erectos num misto de arrepio,
De desejo e do contraste
Do quente da tua língua com o ar frio.

Lambe-me,
A pele que me cobre a carne,
Descendo até ao ventre
Que se contorce de ansiedade,
E mãos nas ancas,
Apertando-me as nádegas,
São testemunhas vivas,
Do desejo que me invade.

Abre-me
As pernas e,
Invade-me
O sexo húmido e,
Toma-me
Como tua,
Nesse ritmo que me enlouquece,
Nesse prazer de te sentir,
De tua ser e só a ti,
Pertencer.

Faz-me,
Vibrar de prazer,
Verter, jorrar de tanto te ter,
Faz-me
Escrava do teu querer,
Tua preferida,
Teu único devaneio,
A que te faz perder,
Faz-me tua... Mulher!



2.Julho.14

Espero



Espero
Que a vontade decresça em mim,
Que o corpo se renda ao cansaço
E tudo fique, por aqui, 
Sem início,meio ou fim.

Espero
Que a pele não se queira arrepiar
Quando a memória do toque da tua mão
Se sobrepor a qualquer outro pensar.

Espero
Que o corpo não se torne irrequieto
Perante o recordar do desassossego
Que é o teu cheiro, o teu sabor e o respirar, preso no peito.

Espero
Não me perder nas sensações
Outrora sentidas, vividas entre lençóis,
De horas (agora) ínfimas dos nossos corpos molhados,
Beijados,
Tocados,
Amados...

Espero
Que o desejo se perca,
Que o amor se deixe levar
Pela corrente dos dias que passam,
E que em mim,
Ass lembrança de ti, 
Teimam em deixar.



2.Julho.14

(Sobre)Viver


A noite já dorme no seu leito de estrelas cintilantes que quase passam despercebidas por entre as nuvens. O silêncio é seu companheiro de jornada deixando as ruas vazias de gente parecer um deserto de pedras escuras, polidas pelo calçado de quem percorre as vielas da vida.
O orvalho está prestes a cair, sente-se no ar o cheiro que o antecede, fazendo as pétalas dos agapantes brilhar de tanta sede por o tomar.
Aqui, não há orvalho que me faça brilhar ou desejar sentir na pele o seu suave toque refrescante e purificante.
Aqui, dentro de mim, há o desalento do (de novo) falhar. O enfrentar do nada para sempre durar. Do tudo, um dia, terminar. Do nada para além das memórias na pele gravadas, para além do sabor das recordações nos lábios guardados, do calor dos sentimentos partilhados na alma cravados, nela profundamente marcados e jamais esquecidos.
Momentos únicos, intensamente vividos agora perdidos, feitos nevoeiro sobre o rio que se desfazem em novelos de bocados partidos.
Pontas soltas de uma vida vivida, que tento remendar, colar, entrelaçar e, sobretudo, perpetuar em loop sem fim, em busca do motivo, da razão e do porquê de ter deixado de ser assim: perfeito.
Afinal, há gotas de água aqui: caiem de mim, por mim e, pelo meu rosto escorrem, sulcando marcas invisíveis na face. Água que verto sem pudor, sem receio de mostrar toda a dor, que vai aqui, no meu peito.
E, ao mesmo tempo, há nas lágrimas um poder que não entendo, que ao cair nos lábios, não resisto e sorvo, sentindo todo o seu gosto salgado como gotas de um mar não reclamado, apenas meu, privado. E dele me alimento. E dele renasço mais forte que ontem, mais frágil que amanhã.
Que a esperança de (sobre)viver é mais forte que por um amor morrer...



27.Junho.14

Apaziguar


O dia percorreu já metade do seu curso, por entre gotas pesadas e refrescantes de uma chuva de Verão e o brilho, quente e forte, de um sol que brinca por entre nuvens e a folhagem das árvores que, suavemente, ondulam perante uma brisa quase ausente.
O tempo, esse, passa mais lento que o habitual e o silêncio que se sente contrasta com a vida fervilhante de um qualquer dia da semana. Hoje, nem o cantar dos pássaros se faz presente, é um tempo que passa ausente, de um nada constante.

Cá dentro, de mim, nada é diferente. Os minutos apesar de presentes são tempo que passa ausente, sem vida, sem barulho, sem tudo e cheios de nada, carregados de vazio.

Só as saudades por vezes alimentam o seu correr.
Saudades que me aumentam o pesar, o chorar e o te amar.
Saudades do teu sorrir, do som da tua voz por mim a chamar, do calor do teu abraço no encaixe perfeito de dois corpos que se sabem e de duas almas que sabem o que é amar. Verdadeiramente amar.
Saudades marcadas pela ausência do teu falar, do teu doce e intenso olhar onde sempre quis mergulhar sem receio de me perder na corrente do teu desejar, de te pertencer e de para mim te tomar.
Saudades que a cada dia se fazem aumentar incentivadas pelas falsas tréguas de que o tempo vai ajudar.

Não há tempo que ajude a matar o que eu por ti sinto, a apaziguar o meu te amar.


24.Junho.14

É nos teus olhos



É nos teus olhos
De um imenso mar
Que me perco,
Sem rumo,
Sem destino,
Sem medo de me deixar levar.

Entorpecida pelo olhar
Deixo que a tua boca,
Doce,
Húmida,
Quente,
Me beije e solte palavras,
Que me seduzem,
Envolventes.

E pelas tuas mãos,
Fortes,
Másculas,
Que me fazem,
A pele e o corpo,
Vibrar,
Permito que me conheças,
Que me desbraves caminhos
Antes adormecidos,
Nunca conhecidos.

E nos olhos vejo-me
Louca nesse tocar,
Entregue à luxúria do sentir,
À entrega do te amar,
Ao prazer de te pertencer.

É nos teus olhos,
Cor de mar,
Que me deixo naufragar
Até de mim
Me ausentar.



18.Junho.14

Retenho em mim




Retenho,
Em mim todas as vontades
De te sentir o cheiro,
De te sentir o sabor,
De te sentir o calor do corpo.
Abstenho-me
De te falar os sentires,
De com os lábios te sorrir,
De te demonstrar carinho,
De te mostrar o meu amor.
Detenho-me
Perante a incerteza dos sentimentos,
Perante a ausência de nós amarmos,
Perante a indiferença ao que sou.
Perco-me,
Fico para trás,
Afasto-me,
Com todo o corpo a pedir
Que as palavras que tento esconder, encobrir,
Não brotem, a jorros, desta boca que quase não consigo calar.
Morro-me,
Por inteiro,
Dentro deste peito,
De amor por ti.


17.Junho.14

Faz-me falta




Faz-me falta.
O cheiro do teu corpo que me inebria.
O som do teu riso, da tua voz chamando por mim.
O calor do teu abraço e o conforto do teu carinho.
Faz-me falta.
O barulho das tuas mãos deslizando no meu corpo.
O paladar dos teus beijos inundando-me os lábios.
O toque dos teus dedos afagando-me o rosto e o cabelo.
Faz-me falta.
O teu olhar descortinando os meus medos,
O teu sorriso apaziguando-me a ansiedade,
Os teus braços mostrando-me uma realidade que se vive nos sonhos.
Faz-me falta,
A tua imensa presença,
A tua essência,
O teu comigo querer estar,
A tua paixão,
O teu desejo.
Faz-me falta,
O teu me amar.


17.Junho.14