sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Hoje viajo ao som de...


Turn the light off in this place
And she shines just like a star
And i swear i kno her face
i just dont kno who you are
turn the music up in here
i can hear you loud and clear
like shes right there in my ear
telling me that she wants to own me
to control me
come closer (closer)
come closer

and i just cant pull myself away
under her spell i cant break
i just cant stop
i just cant stop
i just cant stop
i just cant stop
and i just cant bring myself away
but i dont want to escape
i just cant stop
i just cant stop
i just cant stop
i just cant stop
i just cant stop

i can feel her on my skin
i can taste her on my tongue
shes the sweetest taste ive seen
the more i get the more i want - ant
she wants to own mecome closer(closer)
she says come closer

and i just cant pull myself away
under her spell i cant break
i just cant stop
i just cant stop
i just cant stop
i just cant stop
and i just cant bring myself away
but i dont want to escape
i just cant stop
i just cant stop
i just cant stop
i just cant stop
i just cant stop

come closer
closer
closer
closer
closer
closer
closer
hm hmm hmm
i just cant stop no, no
i just cant stop no, no(just cant stop it, no)
i just cant stop no, no(just cant stop it)
no no no no

and i just cant pull myself away
under her spell i cant break
i just cant stop(said i just cant stop)
i just cant stop
i just cant stop(said i just cant stop!)
i just cant stop
and i just cant bring myself away(ay! bring my self!)
but i dont want to escape(to escape!)
i just cant stop
i just cant stop(and i just cant stop)
i just cant stop
i just cant stop(ohh)
i just cant stop(and i just cant stop)

and i just cant pull my self away
under her spell i cant break
i just cant stop
i just cant stop
i just cant stop
i just cant stop
i just cant stop

come closer...

Vou seduzir-te...

Vou seduzir-te. Sem perdão, sem piedade.
Vou olhar-te e com meus olhos devorar-te.
Vou mostrar-te como me movimento,
Doce, suave e esvoaçante,
Como meu andar, meus passos te fazem adivinhar.
Vou aproximar-me de ti,
Fazer-te sentir o meu cheiro,
Fazer-te sentir o meu respirar,
O meu beijo suave na face,
Os lábios e seu doce roçar.
Vou abraçar-te, deixar-te tocar
Suave, discreto entrelaçar.
Vou seduzir-te, com o calor a imanar,
O calor do meu corpo, a queimar...
Deixar-te assim, a desejar, a sonhar, beijar tua face
E me afastar...

27/10/2011

Vejo-me...

Vejo-me nos teus olhos,
Cor dos meus, mundo meu.
Vejo-me tocar teus lábios,
Suaves, delicados, como eu.
Vejo-me no teu peito,
Aconchegada, mimada e amada,
Como se so fosses meu.
Vejo-me em ti, tu em mim,
Apenas um, único entendimento
Entre dois seres, dois corpos, um querer.
Aqui, agora, apenas em poucas horas,
Vejo-me tua, toda, nua...
Vejo-te meu, inteiro, partilhando
Corpo e alma...
Vejo-me Mulher, desejada e adorada,
Vejo-me Deusa venerada.
Vejo-me rendida, sem medo no teu peito estendida...
Vejo-me por momentos
Preenchida!

27/10/2011

Esperei...

Esperei. Tempo que não vivi,
Na espera do término do silêncio.
Esperei que me falasses,
Que me contasses,
Que te desses e partilhasses.
Esperei e nada ouvi.
Esperei e apenas silêncio.
Um silêncio demolidor,
Que me prendia, suspensa
Num limbo de dor e amor...
Esperei que terminasse,
Que acabasse com a minha vida não vida.
Esperei. Sonhei. E me desiludi...
Teu silêncio acabou e as tuas palavras
Nunca pensei ouvir.
Afinal esperei e na verdadei nunca esperei...

27/10/2011

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Horas...

Há horas que me custam.
Custam mais que as outras.
Não são mortas,
Pelo contrário. São vivas,
Demasiado vivas.
Custam-me mais essas horas.
Os minutos seguem o tempo normal,
Passam, de segundo em segundo,
Como eu a olhar para o relógio...
Segundo a segundo,
Como as memórias que não se esvaiem em fumo,
Que não desaparecem,
Que teimam em ficar
E em voltar
E em me lembrar.
Horas, com minutos que me sabem a horas,
Que me sabem a recordações,
Que me fazem esperar,
Que me fazem imaginar,
Que tudo vai ser como antes,
O telefone vai tocar,
Uma mensagem vai chegar...
Há horas que me lembram de ti.
Essas... Essas custam mais que as outras...

26/10/2011

Falar-te...

Falar-te de mim, preciso.
Dizer-te de mim, preciso.
Preciso que me ouças.
Preciso que me saibas.
Que me entendas mesmo sem entenderes,
Mesmo que nunca percebas o que pretendo te dizer...
Que me saibas mesmo que nunca saibas todo o meu pensamento,
Mesmo que nunca saibas se sabes realmente tudo.
Mas quero dizer-te: tudo.
O meu querer mesmo que amanhã não queira.
O que conta é hoje.
E hoje, hoje quero falar-te de mim.
Que me ouças mesmo que da minha boca
Não saiam palavras audíveis.
Que me sintas mesmo que o teu toque não me toque.
Que me saibas mesmo sem te dizer...
Que sejas parte de mim, preciso.
Que eu faça parte de ti.
Que o meu olhar te diga como está o meu mar...
O mar de sentimentos e sensações,
De desejos e ilusões,
De sonhos e provocações,
De odores e tentações
Que me fazes sentir...
Falar-te de mim, preciso,
Sem precisar falar-te...

26/10/2011

Não te escondas...

Não te escondas...
Mostra-te... Diz-me onde estás.
Preciso encontrar-te.
Saber-te. Conhecer-te. Desejar-te.
Não te escondas...
Nem atrás de máscaras, nem de palavras,
Nem de pinturas ou medos.
Mostra-te. Mostra-me como podes ser tu...
Como ser o único, o que me fará encontrar-me.
O que me fará deixar esta mulher para trás
e ser outra. Nova. Diferente.
Sem medos, sem receios, sem tormentas,
Sem amargor...
Não te escondas.
Mostra-te... És o meu elemento motivador,
És o meu alento nos dias de dor,
És o meu sol quando não há calor...
Preciso de ti. Que me alimentes a vida,
Que me alimentes de cor, sabor e amor...
Não te escondas!

26/10/2011

Deixa...

Deixa que te diga,
Deixa que te mostre,
Deixa que te queira dar,
Que queira estar,
Que queira partilhar,
Deixa.
Deixa que te mostre o meu olhar,
Deixa que te mostre o meu ver,
O meu mundo, as minhas cores,
As minhas palavras,
Os sabores meus e de mim.
Deixa...
Deixa que te permita partilhar-me,
Que te permita acompanhar-me,
Que te permita usufruir de mim.
Assim sem limites, sem fronteiras,
Sem barreiras...
Deixa. Dá-te a esse prazer.
Permite-te aceitar o que te quero dar...
Deixa. Dá-me esse prazer.
Permite-me também te ter,
Também te aceitar,
Também te receber e partilhar...
Deixa...

26/10/2011

Em três tempos



Em três tempos...
Em três tempos fazes parte da minha vida.
Em três tempos entraste nos meus dias.
Em três tempos me conquistaste.
Em três tempos...
És o meu complemento.
És o meu começar e o meu acabar,
És o meu dar e tirar,
És o meu querer e o oferecer,
És o meu tudo e o meu nada.
Em três tempos...
Tudo faz sentido,
Tudo tem outro sabor,
Tem outro encantamento,
Tem outras luzes, outros tempos, outros momentos...
Em três tempos passaste a ser
O meu passado, o meu presente e o meu futuro.
Em três tempos me ajudaste,
A saber conjugar o verbo amar(te)...

26/10/2011

Apetece-me...

Apetece-me, ser outra. Apetece-me,
Mudar assim, de repente, apetece-me.
Ser o que não esperas,
Ser o que não viste,
Quem nunca conheceste,
Quem nunca viveste...
Apetece-me, ser outra. Apetece-me,
Mudar os dias para a noite,
Ter-te sem receio,
Mostrar-me por inteiro,
Provar-te e saborear-te
Em horas nunca tentadas,
Tentar-te e levar-te
A queres mais, sem demoras...
Apetece-me, ser outra. Apetece-me,
Passar as horas para os minutos,
Demorar-me em ti,
Por ti e contigo,
Serem os minutos a demorem horas
Para poder sorver-te sem pensar...
Para poderes seduzir e dominar,
Para poderes usufruir e sucumbir
Para seres Rei e escravo,
Para te entregares e me tomares...
Apetece-me, ser outra. Apetece-me,
Mais. De ti e de nós.
Apetece-me...

25/10/2011

Frio...

Frio que me envolve,
Que me arrepia a pele,
Que me faz morta...
Frio que me obrigas a andar,
Que me fazes procurar,
Nos dias sem fim,
O calor apetecido...
Frio que nasce em mim,
Que afinal parte daqui,
Do gelo que me arrefece
A alma. E o corpo,
Esse, apenas obedece...
Frio que podias desaparecer,
Que podias não exisitir,
Que podias nunca ser
A minha companhia sem fim...
Frio, que em mim nasce,
Que daqui não desaparece,
Que jamais me abanadona,
Frio, frio que tu trouxeste,
No dia, naquela hora
Em que adeus me disseste...

25/10/2011

E se...



E se eu fosse o teu sonho?
E se eu fosse o teu desejo?
E se eu fosse a tua maior ilusão?
E se tu fosses o meu querer?
E se tu fosses o meu avançar?
E se tu fosses o meu viver?
E se eu fosse apenas o mar?
E se eu fosse como ele, sempre a girar?
Sempre onde mergulhar?
Sempre onde te perder e te afogar?
E seu tu fosses apenas o ar?
E como ele, sempre a soprar?
Sempre onde respirar?
Sempre onde me agarrar e abraçar?
E se eu fosse o teu dar?
E se eu fosse o teu amar?
E se tu fosses o meu receber?
E se tu fosses o meu oferecer?
E se fossemos o que nos completa?
E se fossemos um em vez de dois?
E se fossemos?
E se...

25/10/2011

Gosto...

Gosto. Gosto muito, gosto...
De quando surges de surpresa.
De quando me apanhas desprevenida.
Gosto. Gosto muito, gosto...
De quando o teu perfume te anuncia.
De quando o teu olhar me analisa.
Gosto. Gosto muito, gosto...
De quando me deixas sem jeito,
Sem conseguir disfarçar a respiração ofegante,
Sem conseguir esconder a emoção.
Gosto. Gosto muito.
De quando os nossos olhares se cruzam,
De quando não são precisas palavras,
De quando apenas os lábios se entreabrem e...
E se tocam, suave e delicadamente.
Apenas a prolongar a vontade premente
De toque,
De querer,
De sentir,
De ter, dar e receber...
Gosto quando surges de surpresa...
Gosto. Gosto muito...

25/10/2011

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Hoje viajo ao som de...


Moment of honesty,
Someones gotta take the lead tonight
Whose it gonna be?
I'm gonna sit right here and tell u while it comes to me
If u have something to say
You should say it right now
(You should say it right now)

You give me a feeling that I never felt before
And I deserve it, I know I deserve it
Its become something that's impossible to ignore
And I can't take it
I was wondering maybe
Could I make you my baby
If we do the unthinkable will it make us look crazy
If you ask me I'm ready (I'm ready)
If you ask me I'm ready (I'm ready)

I know u said to me
This is exactly how it should feel when its meant to be
Time is only wasting so why wait for eventually
If we gonna do something about it
We should do it right now
(We should do it right now)

You give me a feeling that I never felt before
And I deserve it, I know I deserve it
Its become something that's impossible to ignore
Its what we make it

I was wondering maybe
Could I make you my baby
If we do the unthinkable
Will it make us look crazy
Or would it be so beautiful
Either way I'm sayin
If you ask me I'm ready (I'm ready)
If you ask me I'm ready (I'm ready)

Sayin
I give up before we try
Feel the lows before the highs
Clip our wings before we fly away (fly away)
I can't say I can't compare
I'm suspended it the air
Won't u come be in the sky with me

I was wondering maybe
Could I make you my baby
If we do the unthinkable
Will it make us look crazy
Or would it be so beautiful
Either way I'm sayin
If you ask me I'm ready (I'm ready)
If you ask me I'm ready (I'm ready)
If you ask me I'm ready (I'm ready)
If you ask me I'm ready (I'm ready)

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Hoje viajo ao som de...



You lodge your heart
You wake up with tears and stars in your eyes
You gave it all to someone that cannot love you back
Your days are passed
With wishes and hopes for the love that you've got
You wasted it all to someone that cannot love you back

Someone that cannot love, love
Ain't this enough?
You push yourself down
You try to take comfort in words, but words
They cannot love
Don't waste them like that
'cause they'll bruise you more

You secretly made
Castles of sand that you hide in the shame
But you cannot hold tides that break down
And you're building them all over again

You talk all this words
You make conversations that cannot be heard
How long until you notice that
No one is answering back?

Someone that cannot love, love
Ain't this enough?
You push yourself down
You try to take comfort in words, but words
They cannot love
Don't waste them like that
'cause they'll bruise you more

Love, love
Ain't this enough?
You're pushing around
You try to take comfort in words, but words
They cannot love
Don't waste them like that
'cause they'll bruise you more

Someone that cannot love

Someone that cannot love

Someone that cannot love, love
Ain't this enough?
You push yourself down
You try to take comfort in words, but words
They cannot love

Don't waste them like that
'cause they'll bruise you more

Love, love
Ain't this enough?
Pushing around
To find little comfort in words, but words
They cannot love
Don't waste them like that
'cause they'll bruise you more

Well they'll bruise you more
Words, they'll hurt you more
Words they'll hurt you more
Yes, they'll hurt you
Someone that cannot love
Someone that cannot love

Silêncio V




Hora do silêncio. É a hora...

Já chegou a hora em que o silêncio chora.
Baixinho. Escondido. Silêncio que demora...
Hora do silêncio. É a hora...

Que mais me atormenta,
Em que tudo me consome, devora...
Hora do silêncio.
Que em outro dia, outra vida,
Era outra hora...

Hora do silêncio que agora chora,
Já foi a hora da alegria,
Da companhia,
Dos sonhos e das ilusões...
Hora do silêncio. É a hora...

Que não quero nunca que chegue,
Que não quero nunca que me lembre,
Que a tua voz não volta,
Que o teu riso não regressa,
Que não mais ouvirei...
Hora do silêncio.
Do silêncio da tua ausência...


21/10/2011

Silêncio IV



No teu mar me perco,
Nas tuas ondas me ouço,
No teu frio desperto,
No teu incerto desespero...
Silêncio sem fim.
No teu burburinho espero,
Que o teu querer por mim,
Seja imenso e intenso,
Seja loucura sem permissão,
Seja domínio e submissão...
Silêncio sem fim.
No teu silêncio escuto,
As palavras que me dedicas,
As frases que me inspiram,
As histórias que almejo...
Silêncio sem fim,
Sem fim e sem início,
Silêncio que não te ouço
Suspirar e ser por mim...
Silêncio em que mergulho
Para que o teu silêncio
Não se quebre...
E muito menos a mim...

21/10/2011

Silêncio III




Silêncio que me rodeia.
Silêncio que por mim serpenteia.
Silêncio que me invade.
Silêncio que me atormenta,
Que me enlouquece,
Que me entristece,
Que me arrefece
E me mortifica...
Silêncio que me domina,
Que domina as minhas noites
E o meu dia.
Silêncio que não se ouve,
Que não se pressente,
Que apenas se sente,
Premente,
Incandescente...
Silêncio que me mata,
Silêncio que me acaba,
Silêncio que não me deixa viver...
Silêncio em mim,
Na minha mente,
No meu peito,
Na minha alma...
Silêncio que não permite falar,
Que me faz calar,
Suster e guardar...
Silêncio que não vais ouvir
O verbo "amar"...

21/10/2011

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Toma-me...

Toma-me... Toma-me nos teus braços.
Toma-me nos teus abraços.
Toma-me no teu peito.
Toma-me na tua boca!
Toma-me no teu corpo.
Toma-me nas tuas mãos....
Toma-me!
Toma-me num canto.
Toma-me no teu leito.
Toma-me onde descansas,
Onde trabalhas...
Toma-me onde quiseres!
Toma-me como quiseres!
Mas toma-me!
Leva-me contigo. Ou fica comigo!
Mas toma-me!
Toma-me com calma, com carinho e alma.
Toma-me com mais querer, frenético e apenas em busca do prazer!
Toma-me com toque de desejo e sedução.
Toma-me com vontade apenas carnal.
Toma-me! Hoje. Agora. Sempre.
Toma-me!!!!

20/10/2011

Hoje viajo ao som de...




Give me release
witness me
I am outside
give me peace

Heaven holds a sense of wonder
and I wanted to believe
that I'd get caught up
when the rage in me subsides

In this white wave
I am sinking
in this silence
In this white wave
in this silence
I believe

I can't help this longing
comfort me
I can't hold it all in
if you won't let me

Heaven holds a sense of wonder
and I wanted to believe
that I'd get caught up
when the rage in me subsides

In this white wave
I am sinking
in this silence
In this white wave
in this silence
I believe

I have seen you
in this white wave you are silent
you are breathing in this white wave

I am free

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Espalhadas...





Espalhadas... Espalhadas pelo chão,
As roupas que nos condicionavam os movimentos.
Espalhadas pelo chão,
As fronteiras que nos impediam de vivermos.
Espalhadas pelo chão,
As centelhas de amor que teimavam em não desaparecer.
Espalhadas pelo chão,
As memórias do desejo agora concretizado.
Espalhadas pelo chão,
As gotas da nossa entrega,
Escorridas dos nossos corpos, da nossa união.
Espalhadas pelo chão,
As nossas palavras nunca ouvidas,
As nossas palavras ao ouvido sussurradas.
Espalhadas pelo chão,
A nossa loucura de prazer...
Espalhadas pelo chão,
As esperanças de voltar a acontecer...

20/10/2011

Aqui, espero-te...

Aqui, espero-te.
Vem que já não suporto que demores.
Que não chegues.
Aqui, espero-te na cama.
Com o desejo que tanto gostas,
Que tanto te deixa louco de vontade.
Louco de vontade de mim...
Aqui, espero-te deitada.
Com a roupa que gostas,
Quase nada, mas que te dá luta...
Uma luta disfarçada, quase nada...
Aqui, espero-te desejosa.
Tanto que já te imagino,
Que já ouço os teus passos,
Que a minha respiração já está ofegante,
Que o meu corpo já está pronto,
Já te espera.
Já quase não resisto e os dedos,
Os dedos já me percorrem
Desejosos de encontrar os teus...
Assim, aqui, espero-te...

20/10/2011

Dar-te...




Desejo. Como desejo.
Desejo de ti.
Desejo de beijo.
Desejo de toque.
De querer dar...
Quero apenas dar.
Dar-te o meu desejo.
Dar-to não contido.
Dar-to sem sentido.
Dar-to sem tino.
Dar-te a minha boca.
Dar-ta sedenta.
Dar-te o meu corpo.
Dar-to despido. Sem vestes que atrapalhem,
Que atrasem e demorem o meu
"Dar-te"!
Dar-te por inteiro. Sem receio.
Dar-te o que quiseres.
Ser a tua Deusa. A tua Musa. A tua escrava.
Quero dar-te o que de mim quiseres.
Dar-te é o meu desejo.
Desejo e como desejo....

20/10/2011

Conta-me...

Conta-me uma história. Uma história de príncipes e princesas.
Conta-me! Eu preciso ouvir.
Preciso saber que é possível sonhar.
Sonhar com amores impossíveis e com final feliz.
Conta-me! Eu preciso ouvir.
Que o amor tudo vence.
Que o amor sempre sente.
Que o amor é inegável, irrefutável, imprescindível...
Que o amor é sentido de igual forma pelos dois.
Conta-me! Eu preciso acreditar.
Preciso acreditar que não é um sonho,
Que pode ser real,
Que o meu príncipe vai reconher-me,
Que vai defender-me e lutar por mim
Contra os castelos de desilusões e vai salvar-me.
Salvar-me da vida de desamor, sem sabor, sem valor que vivo...
Conta-me! Tenho de acreditar...

20/10/2011

Podíamos!

Podíamos... Sim, podíamos!
Podíamos fugir...
Deixar a vida que temos, que nos sufoca,
Que nos oprime, que não é nossa.
Podíamos!
Deixar de viver a vida que nos é imposta,
Que nos amarga e afoga.
Podíamos!
Começar do nada e ter tudo.
Tudo o que importa: nós. Eu e tu.
Nós apenas nós e nada mais que nós.
Dois. Um. A nossa vida.
O nosso rumo. O nosso destino.
Podíamos!
A nossa fuga à vida sem sentido.
A nossa fuga ao que nos afunda e nos faz infelizes.
A nossa fuga às águas turvas de não te ter,
De te ver viver sem te acompanhar poder...
Podíamos... Sim, podíamos!!!

20/10/2011

Hoje viajo ao som de...


You look so fine
I want to break your heart
And give you mine
You´re taking me over
It´s so insane
You´ve got me tethered
And chained
I hear your name
And I´m falling over

I´m not like all the other girls
I can´t take it like the other girls
I won´t share it like the other girls
That you used to know
You look so fine

Knocked down
Cried out
Been down just to find out
I´m through bleeding for u

I´m open wide
I want to take you home
We´ll waste some time
You´re the only one for me
You look so fine
I´m like the desert tonight
Leave her behind
If you want to show me

I´m not like all the other girls
I won´t take it like the other girls
I won´t fake it like the other girls
That you used to know

You´re taking me over
Over and over
I´m falling over
Over and Over

Drown in me
One more time
Hide inside me tonight
Do what you
Want to do
Just pretend
We get a happy end
Let me know
Let it show
Ending with
Letting go
Ending with
Letting go
Ending with
Letting go
Let´s pretend
Happy end
Let´s pretend
Happy end

Pensamento...

Pensamento que me ocorres,
Que vais e vens e vais e voltas,
Que nunca tens fim e sempre me assolas...
Pensamento que me enlevas em vento,
Suave quente de Verão.
Pensamento que me aqueces a alma,
O meu ser e me acalma a vontade,
Vontade de te ter...
Pensamento que me enlouqueces,
Que me fazes apenas sonhar,
Iludir e ainda mais, cada vez mais desejar...
Pensamento que não me acalmas,
Que me enlouqueces de vontade,
De desejo e mais querer.
Pensamento que me invade
Que vais e vens e vais e voltas...
Pensamento que não posso pensar-te
Que te pensar apenas me faz
Querer pecar...



19/10/2011

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Sentir-te...

Sentir-te... Aqui, perto...
Sentir-te... Assim, por inteiro. Completo...
Sentir-te... Como se fosses real,
Sempre aqui comigo.
Presente. Não ausente.
Sentir-te... O respirar no meu ouvido.
O abraçar nos meus braços.
O beijar na minha boca.
Sentir-te... Constante e sempre,
Como o ar que respiro.
Fechar os olhos e até ver-te!
Sentir-te comigo...
Sentir-te no meu gosto,
No meu rosto, no meu corpo...
Sentir-te. Amar-te. Querer-te.
Desejar-te.
Sentir-te e não te ter,
Não te tocar...
Pensar-te... Deixar que a tua ausência
Nunca, nunca aumente...

19/10/2011

Hoje viajo ao som de...

Sometimes I feel I've got to
Run away I've got to
Get away
From the pain that you drive into the heart of me
The love we share
Seems to go nowhere
I've lost my lights
I toss and turn I can't sleep at night

Once I ran to you
Now I'll run from you
This tainted love you've given
I give you all a girl could give you
Take my tears and that's not nearly all
Tainted love
Tainted love

Now I know I've got to
Run away I've got to
Get away
You don't really want any more from me
To make things right
You need someone to hold you tight
And You think love is to pray
I'm sorry I don't pray that way

Once I ran to you
Now I'll run from you
This tainted love you've given
I give you all a girl could give you
Take my tears and that's not nearly all
Tainted love, Oh no!Tainted love
Tainted love, Tainted love
Tainted love, Tainted love
Tainted love...

Contradição...

Contradição... Que em mim existe,
Que no meu ser persiste,
Sem ter um fim...
Contradição... Que de mim não se afasta,
Que no amor insiste,
Que do ódio não desiste...
Contradição... Que me fazes sentir,
Que me leva à loucura,
Que me deixa sem controlo,
Que me confunde o pensamento,
Que me traz angústia e despesero...
Contradição... Que me controla.
Que duplo sentimento,
Em que uns dias te adoro,
Te venero e devoro;
Que nos outros te odeio,
Te desprezo e agonio...
Contradição que não me larga,
Que não me deixa viver sem ti no pensamento.
Ora te amo, Ora te odeio...

19/10/2011

Abre a porta...


Abre a porta... Tens a chave. Entra.
Abre a porta... Não te percas, sou o teu caminho.
Abre a porta... Não demores, espero-te.
Abre a porta... Não tenhas medo, sou apenas eu,
Aqui. Fechada. Sufocada. Á tua espera...
Abre a porta! Mostra-me a vida, o sol,
O vento e o mar.
Abre a porta! Quero que me ensines a viver,
A sentir e a voar.
Abre a porta! Só tu o podes fazer,
Só tu detens a chave que me liberta.
Só por ti espero.
Só a ti quero.
Só por ti desespero...
Abre a porta... Não me deixes perdida.
Não me deixes sem vida.
Não me deixes morrer. Morrer sem amor.
Liberta-me o coração...
Abre a porta!

19/10/2011

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Hoje viajo ao som de...

Deep within your heart, you know it's plain to see
Like Adam was to Eve, you were made for me
They say the poisoned vine, breeds a finer wine
Our love is easy

If you ask me plainly, I would gladly say
I'd like to have you round just for them rainy days
I like the touch of your hand
The way you make no demands
Our love is easy

Our love is easy
Like water rushing over stone
Oh, our love is easy
Like no love, I've ever known

Physically speaking, we were made to last
Examine all the pieces of our recent past
There's your mouth of tears
Your hands around my waist
Our love is easy

Every time we meet, it's like the first we kiss
Never growing tired of this endlessness
It's a simple thing, we don't need a ring
Our love is easy

Our love is easy
Like water rushing over stone
Oh, our love is easy
Like no love, I've ever known

Our love is easy
Like water rushing over stone
Oh, our love is easy
Like no love, I've ever known

Deep within your heart, you know it's plain to see
Like Adam was to Eve, you were made for me
They say the poisoned vine, breeds a finer wine

Mal posso esperar...




















Mal posso esperar que a noite acabe,
Que o dia comece,
Que tudo termine e recomece...
Mal posso esperar que o dia termine,
Que a noite que aparece teima em não passar...
Mal posso esperar que os dias sejam assim,
Infindáveis, sem teu calor,
Sem teu sentir, Sem teu sabor...
Mal posso esperar que chegue novamente a hora,
A hora de te ver, de te tocar,
De te sentir e provar.
Mal posso esperar pelo cruzar do nosso olhar,
Renovar o bater forte e descompassado do coração,
Renovar o ar, cá dentro, dentro de mim...
Mal posso esperar, pelo teu respirar,
Junto ao meu, a vibrar,
A desejar e ofegar...
Mal posso esperar... Pelo teu beijar...


18/10/2011

Flutuo...

Flutuo... Como se pairasse abaixo do mundo,
Flutuo. Nas tuas águas me inundo,
Flutuo. Nas tuas ondas me perco,
Flutuo. No teu imenso mar de sentimentos,
Flutuo. No teu tamanho querer,
No teu imenso arder,
No teu imenso saber,
Flutuo.
Flutuo mas não me inundo,
Não me afogo, não me deslumbro,
Flutuo. Deixo-me ir pelo teu suave ondular,
Deixo que me guies para onde te apetecer,
Deixo que me mostres outro luar,
Que me seduzas com teu dizer,
Flutuo... Suave qual pétala nas águas do rio,
Que corre, que segue, sem parar,
Pouso em ti...
Flutuo...

18/10/2011

Cansada...

Cansada... Cansada de não ver o fim da estrada.
Cansada de não ter quem me espere.
Cansada de não ter nada.
Cansada de tanto querer,
De tanto sonhar,
De tando desejar.
Cansada de ter de provar que mereço,
Que vale a pena...
Cansada de ser diferente.
De tentar ser diferente...
Para quê?
Para chegar cansada e nada me esperar...
Cansada de ter de levar
A vida a sorrir,
De ter de levar a vida sem ferir,
Quando quem se fere sou eu...
Esta dor que não me larga,
Este desalento que me aparta
Da vida como ela deve ser vivida...
Cansada... Estou cansada...

18/10/2011

A última...

A última que morre,
Que vive e que renasce...
Que me fazes acordar a cada dia,
Olhar o mundo com alegria,
Sentir o vento a passear
Pelo meu corpo e saborear...
A última que adormece,
Que te abandona,
A última que desaparece...
Tu que me fazes sentir
Que ainda há querer,
Ter e, sobretudo, poder.
Poder sentir, viver e ser.
Tu que me fazes acreditar
Que é possível não morrer
De dor, de desamor e de pesar...
A última a me abandonar...
Esperança que me faz andar...

18/10/2011

Musicado por: Jorge Alhinho

Jaz morta...



Jaz morta... Acabada. Finda.
Inútil. Incompleta.
Acabou-se o ser feliz.
Acabou-se o querer fazer-te feliz.
Acabou-se o sorriso ao por-do-sol.
Acabou-se o Sol. Quente. Belo. Fonte de vida.
Acabou-se a vida.
Jaz morta... Acabada. Finda.
Acabou-se a felicidade.
Acabou-se a alegria.
Acabou-se a entrega.
O sonhar, o querer e partilhar.
Acabou-se a luz do dia.
Acabou-se a luz da lua.
Acabou-se...
Jaz morta... Acabada. Finda.
Jaz morta a esperança...


18/10/2011

Noite V

Noite, é à noite que te revelas
Ser meu sonho, meu desejo,
Meu querer e meu dar...
É à noite, sob as estrelas
Que te entregas e me devoras,
Me fazes tua sem parar,
Sem temer e sempre a ousar...
Noite que te traz até mim,
Que nos enche de frenezim,
Que nos faz amar sem fim!
Noite! Noite dona dos quereres,
Dos desejos e nossos prazeres.
Como queria que não tivesses fim,
Noite dona, dona de mim!
Noite em que eu sou teu querer,
Sou tua escrava, te dou prazer...
Noite louca de te ter,
Noite louca de te saber,
Sentir e saborear até ao dia amanhecer...
Noite tarda em acabar,
Para o meu amor aqui ficar...

18/10/2011

Noite IV



Noite... Noite que chega, calma,
Sedutora, de sombras e silhuetas
Que nos embalam em histórias de amores perdidos...
Noite que conta a vida dos amantes,
Dos que amam e são errantes,
Dos que sentem e desejam...
Noite que nos leva em sonhos tantos,
Que nos ilude com a luz da lua,
Que nos encanta e nos feitiça...
Noite onde todos os sonhos se desvanessem
Se nesta cama não te deitas.
Noite que me iludes com desejos,
Com quereres e devaneios,
Que em fumo se desfazem
Se comigo não te deitas...

17/10/2011

Noite III



Noite que me invades,
Que me acorrentas sem amarras,
Que me enches de saudades...
Noite que tomas conta de mim,
Que me velas sem ter fim,
Que me dominas as vontades...
Noite...
Noite imensa que cresces em mim,
Que me deixas apenas sentir,
O que não quero dentro de mim...
Noite escura sem luz e sem perdão,
Atormentas-me até durante o dia,
Que a minha vida esta perdida,
Em ti, noite de escuridão...

18/10/2011

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Vou...

Vou caminhando, vou subindo,
Cada dia um degrau,
Cada dia uma etapa,
Cada dia uma vitória.
Vou caminhando, vou subindo,
Vou deixando para trás este buraco
Escuro, pérfido e mortífero...
Vou subindo e subindo,
Vou chegando à luz,
Vou deixando para trás todas as vestes
Que me coloram no corpo,
Que me impuseram ao longo dos tempos,
Que apenas me puxam para baixo,
Para a escuridão e tristeza e actos sem perdão...
Quero ser eu. Apenas eu...
Subir. Ver a luz do dia, sem vendas impostas,
Sem caminhos pré-definos,
Sem querer percorrer caminhos tantas vezes percorridos.
Vou subindo... Libertando-me.
Preciso subir... Olhar-te de igual para igual.
Sentir o mesmo sol que te aquece a pele...
Vou subindo... Vou...

17/10/2011

Brisa...




















Brisa que passa sem quase se notar,
Tenta passar sem quase passar.
Brisa que trazes no ar,
O sabor a sal, o aroma sem igual.
Brisa que trazes no ar
Notícias do meu mar,
Do tamanho das suas ondas,
Do seu tranquilo ou ansioso ondular...
Notícias do meu mar,
Onde anseio mergulhar,
Onde me quero entregar,
Onde me quero dar...
Notícias de águas cálidas que nos aquecem
O coração, o corpo e a alma...
Notícias de águas frias que me arefecem
A pele e fazem arrepiar...
Brisa que vens do meu mar,
Diz-me que trazes para contar?
Do meu mar que me sente a falta,
Do meu mar que me quer abraçar.
Do meu mar que me quer receber,
Do meu mar que me quer envolver.
Brisa que passa quase sem passar,
Que notícias trazes do meu mar?
Diz-me que te diz o seu cantar
De ondas na areia a acabar?
Brisa que vens do meu mar,
O teu suave passar
Porque não me vens sussurrar
Notícias do meu mar?

17/10/2011

Hoje viajo ao som de...

Love me like a river does
Cross the sea
Love me like a river does
Endlessly
Love me like a river does
Baby don't rush you're no waterfall
Love me that is all
Love me like a roaring sea
Swirls about
Love me like a roaring sea
Wash me out
Love me like a roaring sea
Baby don't rush you're no waterfall
Love me that is all
Love me like the earth itself
Spins around
Love me like the earth itself
Sky above below the ground
Love me like the earth itself
Baby don't rush you're no waterfall
Love me that is all

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Hoje viajo ao som de...

Ainda sinto...

Ainda sinto o toque suave dos teus lábios,
Roçando levemente os meus.
Ainda sinto o teu abraço forte,
Envolvendo-me de ti.
Ainda sinto o teu cheiro junto a mim,
Na minha roupa, no rosto.
Ainda sinto o sabor da tua boca,
Quente, ávida, cheia de vontade de mim.
Ainda sinto o teu respirar,
Ofegante, de desejo, de querer.
Ainda sinto as nossas mãos tocarem-se,
Cruzarem-se os dedos numa procura de palavras sentidas...
Ainda sinto o calor do teu corpo junto ao meu,
A apertar-me contra a parede, a querer encurralar-me,
A querer ter-me... Ainda sinto...
Ainda sinto em mim a imensa vontade que senti em ti,
Que me mostraste ter, que me fizeste querer...
Ainda sinto em mim o teu refrear,
O teu lutar contra o desejar,
O desejar ainda mais ter e dar.
Ainda sinto a tua vontade de trocar
Beijos e toques e lábios e vontades e segredos e desjos...
Ainda sinto aqui, em mim, todo este querer...

14/10/2011

Sentimento este...

Que sentimento este que me faz perder a razão,
Que me deixa sem sentir o meu chão,
Que me enleva, numa nuvem de algodão...
Suave... Leve... Sem sentido e sem rumo.
Que sentimento este que me faz sentir assim,
Que me deixa em frenezim,
Que me faz sonhar em carmim...
Quente... Envolvente... Sem pudor e sem destino.
Que sentimento tão intenso,
Como intenso é teu beijo,
Como intenso é teu abraço...
Que sentimento tão imenso
Que me deixa sem querer deixar de querer.
Apenas um querer que não tem fim,
Que cresce e aumenta dentro, dentro de mim...
Que sentimento este que me invade,
Que me preenche e completa,
Que me faz ver a vida sem meta...
Que sentimento este que apenas me importa
Que seja contigo e agora...

14/10/2011

Porque me deixas assim...

Porque me deixas assim, sem medo de me dar.
Porque me deixas assim, sem receio do te receber.
Porque me deixas assim, sem perguntar porquê.
Porque me deixas assim, sem querer saber.
Sem querer analisar, sem te querer perder.
Porque me deixas asssim, sem esperar o futuro,
Apenas a viver o presente.
Porque me deixas assim, sem querer saber o que foi,
O que será. Apenas o que é.
O que és. O que que somos. Agora.
Um para o outro. O que sentimos.
Hoje. Aqui. Agora.
Porque me deixas assim, a querer mais de ti,
A querer dar-te mais de mim,
A desejar ser tua, receber-te, seres meu.
Porque me deixas assim, louca de desejo,
Pelo teu toque, pela tua boca, pelo teu ser,
Pelas tuas palavras ao meu ouvido,
Pelo teu riso...
Porque te quero tanto?
Apenas porque me deixas assim...

14/10/2011

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Hoje viajo ao som de...

I am milk
I am red hot kitchen
And I am cool
Cool as the deep blue ocean

I am lost
So I am cruel
But I'd be love and sweetness
If I had you

I'm waiting
I'm waiting for you
I'm waiting
I'm waiting for you

I am weak
But I am strong
I can use my tears to
Bring you home

I'm waiting
I'm waiting for you
I'm waiting
I'm waiting for you
I'm waiting
I'm waiting for you

I am milk
I am red hot kitchen
I am cool
Cool as the deep blue ocean

I'm waiting
I'm waiting for you
I'm waiting
I'm waiting for you

I'm waiting
I'm waiting for you
I'm aching
I'm aching for you

I'm waiting
I'm waiting
I'm waiting for you



Não tardes...

Não tardes. Não tardes em chegar.
Preciso que venhas. Que venhas ter comigo.
Que venhas dizer-me que me queres.
Que me queres para ti,
Para ser tua. Só tua.
Que venhas dizer-me que serás meu.
A partir desse momento. Agora. Amanhão e sempre.
Que te queres entregar nas minhas mãos,
Como eu nas tuas.
Sermos um do outro. Sem restrições.
Sem contradições e com todas as permissões.
Sim. Permito que me tenhas.
Permito que me queiras. Que me toques.
Que me possuas. De alma e de corpo.
Permito que te entregues.
Que te deixes possuir. Que te dês,
Que me sintas em ti, por ti...
Tenho vontade desta entrega total, completa...
Não tardes em chegar,
Não tardes...

13/10/2011

Vem ao meu encontro...

Vem. Vem ao meu encontro.
Vem. Que vou esperar-te.
Vem. Até lá vou recordar-te.
Vou sentir-te o toque na pele,
Vou sentir-te o sabor na boca,
Vou sentir-te o abraço a envolver-me...
Vem. Até lá vou sonhar-te.
Vou desejar o teu dedo a passear nos meus lábios.
Vou desejar que desça por mim,
Que me faça arrepiar,
Que me faça querer e ainda mais desejar...
Vem. Que vou querer-te.
Querer que me tomes nos braços,
Que me inundes a boca de beijos,
Que me faças estremecer de vontade...
Vontade de ti. De te ter. De me dar.
Vem... Vem que vou esperar-te.
Esperar-te com todo o meu desejo,
Com todo o meu querer.
Querer de te ter...
Vem ao meu encontro...

13/10/2011

Alguma vez?




















Alguma vez pensaste em mim?
Sim. Alguma vez? Pensaste verdadeiramente em mim?
No que me move?
No que desejo para mim?
No que me faz sorrir, sonhar, chorar?
No que me sabe bem sentir?
No que me deixa feliz?
No que me faz enternecer,
Amolecer o meu coração de pedra?
Alguma vez pensaste em mim?
No que os meus olhos te dizem quando te olho à porta de casa?
Quando te olho antes de um beijo?
Quanto te olho durante o nosso querer?
No que a minha boca quase disse e ficou calada?
Alguma vez pensaste em mim?
Verdadeiramente em mim?
Tentaste compreender-me as atitudes?
Tentaste perceber-me a demora?
Tentaste sentir-me a ansiedade no peito?
Alguma vez te importaste?
Alguma vez me viste como um ser que sente,
Que pode querer mais de ti?
Alguma vez?

13/10/2011

Sempre a teu lado...

Não importa o que já foi.
Não importa quem foste.
Não importa...
Não importam os erros.
Não importam as falhas.
Não importam os defeitos.
Não importam...
Importas-me tu.
Quem és. Agora. Aqui. Comigo.
Quem serás. Ao longo dos dias
Que partilhares e viveres a meu lado.
Importa que aprendas.
Que sintas. Que sejas. TU.
Apenas tu. Sem medo.
Sem receio. Sem conceitos e castigos
A ti e por ti impostos...
Quero que sejas real.
Que sintas o bem e o mal,
O certo e o errado.
Comigo. Sempre, sempre a teu lado...

13/10/2011

Se não me queres...


Se não me queres, liberta-me...
Se não me desejas, deixa-me ir...
Se não me pretendes fazer feliz, não me prendas...
Se tudo não passou de um sonho,
De uma louca e tonta ilusão da minha mente,
Então que faço aqui?
Então que sentido tem continuar,
Aqui, sem ti, que não vens,
Que não te queres dar?
Se não me queres ao teu lado,
Se não desejas partilhar comigo,
Liberta-me. Deixa-me ir. Não me prendas...
Se eu sonho, se me iludo que seja por mim,
Sem a tua silenciosa anuência,
Sem a tua calada concordância,
Sem o teu querer ausente de som...
Se é meu o sonho, o desejo, só meu,
Diz-me... Não me deixes na expectativa,
Na louca incerteza da esperança...
Se não desejas, se não queres,
Liberta-me! Deixa-me ir! Não me prendas!

13/10/2011

Arde...

Arde. Queima. Mata.
Este sentir que me incendeia.
Que me aperta.
Que me impede de respirar.
Queima. Arde e não apaga.
Este meu sentir que não tem fim,
Que não cessa.
Que me esmaga o peito,
O corpo e o pensar.
Arde. Como fogueira em dia de Verão.
Incendeia-me todo o corpo,
Sem travão. Impossível de deter,
Impossível de fazer cessar,
Impossível de conter.
Inunda-me de fogo, queima-me,
Lenta e demoradamente...
Arde em mim,
Em todo o meu ser.
Sinto-o. Cá dentro. A queimar-me,
A impossibilitar-me de pensar,
Apenas só de o sentir...
Preciso tirar-te de mim...

13/10/2011

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Calmo...


Calmo como rio, agora, aqui, aos meus olhos.
Calmo, sereno, quase parado, quase um espelho.
É assim o nosso amor. Calmo. Sereno.
É assim que te sinto. Que me sentes.
Calmo como a suave brisa que nos toca o rosto,
Que cria para nós a melodia das folhas nas árvores,
Que cria para nós as figuras imaginárias nas nuvens...
Calmo. Sereno. Tranquilo. Seguro.
Seguro é o nosso sentir. O nosso querer.
O nosso partilhar.
Seguro o que sinto por ti. Sem dúvidas,
Sem medos ou receios.
Sei-te. Sinto-te. Vejo-o nos teus olhos quando me olhas.
Leio-o em ti, nos teus suaves toques em mim,
Na forma como as palavras impronunciadas são ditas...
Calmo, quase um espelho. Quase um único.
Saber-te como tu me sabes. Sentir-te como tu me sentes.
Um único laço, inquebrável, invisível, inexplicável...
Calmo, sereno, seguro e sincero. O que sinto por ti.

12/10/2011

Cair

Cair... Sinto-me cair sem cair...
Como se levitasse, como se não tivesse peso,
Como se não tivesse corpo. Mas a cair...
Como se a cada passo,  cada mover de perna,  cada pé que coloco em frente ao outro, o chão se abrisse.
Num imenso e profundo precipício...
Como se cada passo fosse dado em falso...
Cair... É como me sinto.
Como se o chão me fosse tirado do chão,
Tirado de debaixo dos meus pés, qual tapete e eu tombasse e caísse... Mas sem cair...
Cair... Sinto-me assim, a cair...
A cair num vendaval de emoções, de tentações e sensações...
A cair num terramoto, daqueles que nos abalam a vida por completo...
A cair num redemoinho que nos deixa zonzas, sem capacidade de pensar, de parar e organizar.
Organizar... Palavra que não existe quando o que sentimos nos comanda o pensamento.
Cair... Sinto-me cair. Sem poder controlar o que sinto.
O que penso. O que quero. O que desejo...
E como desejo! Como quero! Cair... Cair a teus pés e dar-me...

12/10/2011

Quero sentir...

Quero sentir. Apenas sentir.
Acordar deste estado de dormência,
Letargia que me comanda,
Que me impede de sentir.
Quero sentir. Apenas sentir.
Esperar que a noite em mim acabe,
Que o dia me faça abrir os olhos,
Ver a luz do sol, a sua imensa e intensa claridade.
Quero sentir. Apenas sentir.
O calor do sol no rosto,
O calor da lareira no corpo,
O sabor da vida cá dentro.
Dentro de mim...
Quero sentir. Apenas sentir.
Sentir a paixão de acordar,
De querer levantar e sair.
Sair desta cama em que estou largada,
Em que nada sinto, em que nada vejo...
Levantar e sentir. Que vale a pena ver quem passa,
Que vale a pena tentar olhar, dentro de mim, dos outros...
Quero sentir. Apenas sentir que tudo pode fazer sentido.
Que a vida tem razão para ser vivida...
Quero sentir! Sentir a vida viver em mim.
Quero viver em mim a vida!

12/10/2011

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Pecado...



Sou. Quero. Muito.
Louca e desvairadamente.
Sim. Ser tua. Sentir-te.
Ter-te e dar-te.
Deixar-te usufruir de mim,
Sentir-me o sabor,
Devagar. Lentamente...
Sou. És. Somos pecado.
Maçã proibida. Mais desejada.
Quero. Queres. Queremos infringir todas as regras.
Delitos de pecado. Imperdoáveis.
Muito. Agora. Logo. Amanhã.
Ser tua. Seres meu.
Entregar-te todo o meu desejo,
Dar-te todo o meu prazer.
Sentir o teu querer nas mãos que deslizam e tocam
Sem medo, sem receio e com pecado...
Muito pecado passará pelas nossas bocas,
Pelos nossos corpos. Quase se poderá tocar-lhe...
Senti-lo descer entre nós, misturado com o nosso suor.
O suor do nosso pecado...

11/10/2011

Dor...

Dor que não te sinto,
Que te vejo, pressinto...
Dor que bates à porta
Do meu coração que aperta...
Dor que queres entrar,
Acomodar, ficar e devorar...
Devorar devagar. O que sinto,
O que me faz viver,
O que me leva a querer
E a sofrer...
Devorar devagar. Devorar-me...
Lenta e sofregamente,
Ácida e docemente,
Calma e arrebatadoramente...
Dor que me queres consumir.
Num fogo que vai arder sem fim,
Sem nunca o perceber,
Sem nunca saber...
Dor que me rondas,
Que me desejas de forma louca e insana.
Porque me queres fazer sentir-te
Quando o que desejo é que vás embora,
Que me deixes, que me faças ser feliz...
Dor que tentas entrar em mim,
Dor que só existirás enquanto eu permitir...

11/10/2011