sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Odeio

Odeio,
Quando nos deitamos sem um abraço, numa cama já fria.
Odeio,
Quando os nossos corpos, vestidos, não se entrelaçam.
Odeio,
Quando não posso dizer que te amo, com toda a força do meu ser.
Quando não queres ouvir que te pertenço, que vives em mim e que me és vital como o ar que respiro.
Odeio.
Odeio,
Quando os dias terminam e eu fico vazia, com esta saudade de ti que nunca de mim se liberta.
Odeio,
Amar-te assim,
Tanto mais que a mim.
 
 
23.Jan.2015

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Permitir

Permitir
Que a pele se liberte,
Se solte no deliciar
Do percorrer dos dedos
Que junto com os meus
Me desvendam os segredos.

Permitir
Que o corpo estremeça,
Culpa do desejo
Que me invade
As fantasias
E que em mim
Tornas realidade.

Permitir
Que o prazer seja o último limite
De cada vez que juntos
Nos tornámos num só,
Unidos pelo querer
Feito de loucura,
Desejo,
Intenso de um sentir
Que ultrapassa o carnal,
Que faz acreditar
Que viver só tem sentido,
Se for para te amar.

Permitir
Que o corpo descanse nos teus braços
E que a minha Alma,
Do teu peito,
Faça a sua casa.


 
22.Jan.2015

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

E é isto...


Dicionário de coisas simples XXI

E o falar?
O falar é o murmurar do mar
Como melodia eterna
Do meu te amar.


E o ouvir?
O ouvir é deixar-me levar
Pela música dos teus dedos
No meu corpo a deslizar.

E o calar?
O calar é o saborear
Palavras não ditas pelos lábios,
Mas que se lêem no te olhar.

 
20.Jan.2015

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Pedaços de mim

Pedaços de mim,
Perdidos pelo passar dos dias,
Esquecidos nos cantos da vida,
Em minutos sem fim.

Pedaços do que fui,
Espalhados no caminho percorrido,
Nas escolhas que fiz,
Nos erros e acertos que cometi.

Pedaços afastados do que sou,
Daquilo em que me tornei,
Feitos de sonhos desfeitos
E lágrimas no rosto,
De novos desejos
E sorrisos mais que perfeitos.

Pedaços que deixem
Em quem fez parte de mim.

Pedaços que ganhei
Por tudo o que aprendi,
Por quem paasou por mim,
Por tudo o que vivi.
 
14.Jan.2015

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Saborear a pele

Saborear a pele.
Sentir o quente da boca molhá-la.
Deslizar a língua e ter o gosto na boca.
Cerrar os lábios e deleitar-me.
Encher as papílas desse sabor que me faz a mente vaguear.
Memórias que se sentem na pele.
Recordações que aí ficam gravadas. Com esse gosto.
Com o apertar das tuas mãos na minha carne.
Com o odor dos corpos húmidos desse prazer que não se explica.
Com as gotas dessa entrega que a cada dia é única.
Saborear a pele.
Impregnada de ti.
 
13.Jan.2015

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Respiro

Respiro,
Deste ar que me corta a voz,
Frio e gélido,
Compactuante e companhia
De cada alma vazia.

Respiro,
Deste ar que se entranha na pele
Que irrompe por mim adentro,
Que me invade
E me esventra o sentir.

Respiro,
Este ar que cheira à morte
Da felicidade sonhada e vivida,
Jamais repetida,
Nunca mais alcançada,
Num viver carregado de não vida.

Respiro,
Este ar que não me alivia
A dor de não sentir,
O pesar de cada dia passar sem eu pedir,
Que me amarram e sufocam
E o sangue impedem de correr.

Respiro,
Este ar que não quero,
Nesta vida que não é a minha,
Nesta letargia
De quase morrer
Sem a alegria por companhia.
 
12.Jan.2015

Dormir

Há dias em que apetece nada mais que dormir. Dormir o dia todo, sem sentir o passar desses minutos lentos e demasiadamente demorados.

Dormir sem que a luz do dia e o calor ameno do dia se façam sentir.

Não abrir os olhos e não te ver. 

E mesmo que te sinta o respirar, adormecer os sentidos e não te sentir o odor, o calor do corpo.

Não quero voltar a sentir a pele arrepiar-se. Nem a mente a viajar por entre os fantasiosos delírios do passar dos teus dedos. Nem o corpo vibrar desse prazer único que apenas tu me fazes sentir.

Dormir para não te sentir voltar a partir.
 
 
12.Jan.2015