sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Onde vais?

Onde vais?
Onde vais?
Que fazes? Não vês que não vale a pena?
Que não vale a pena iludires-te,
Com os olhos de outra,
Com as palavras doces de mais alguém?
Onde vais?
Não vês que não há como eu?
Que não há quem te compreenda,
Quem te aceite,
Quem te deseje como eu?
Onde vais? Que fazes?
Não vês que não podes fugir?
Que não há mais lugar nenhum
Que não comigo?
Que não há nada além de mim?
Do que te dou?
Do que partilhamos?
Do que temos?
Onde vais?
Não ves que morro sem ti...

30/09/2011

Sabes que preciso de ti?

Sabes que preciso de ti?
Sabes que és a minha razão de viver?
Que é por ti que acordo a meio da noite,
Que é por ti que me levanto de manhã?
Com o teu "bom dia" que me enche de força,
De vontade de viver, de vontade de ser?
Sabes que preciso de ti?
Sabes que és o meu bem mais precioso?
Que sem ti nada faz sentido?
Que sem a tua voz as palavras não soam?
Que sem o teu toque a pele não sente?
Que sem as tuas ondas o mar não mexe?
Que sem o teu sopro o vento não abana
Com as folhas, com o meu cabelo,
Com os salpicos do orvalho?
Sabes que preciso de ti?
Que é por ti que sorrio,
Que é por ti que choro,
Que é por ti que vivo?
Sabes que preciso de ti?

30/09/2011

Tudo. Apenas tudo.

Quero sempre. Quero sempre mais,
Vais ter de dar-me mais...
Vais apenas parar quando for tudo.
Não sou de meias medidas,
Não sou de ficar com uma parte.
Tudo! Tens de dar-me tudo.
E todo!
Tens de ser meu como eu vou ser tua,
Tens de ser o meu todo
Como eu vou ser o teu.
Tens de ser tudo que me faz vibrar,
Tudo que me faz desejar,
Querer, amar e ter e sentir e dar.
Tudo que quero receber, ter, acolher,
Entender e partilhar.
Tudo!
O meu tudo e o teu. Juntos.
Como apenas um único ser.
Tudo. Meu. Teu. Nosso.
TUDO é o que te vou dar...

30/09/2011

Não me arrependo...

Não me arrependo. De nada.
Do que te disse,
Do que partilhamos,
De me ter dado,
De me ter mostrado,
De te ter recebido,
De te ter gostado.
Não me arrependo. De nada.
De te ter sentido,
Do que sinto,
Do que nos une e do que nos separa.
De nada.
Mas sobretudo, não me arrependo
De te ter amado.

30/09/2011

Como pode o amor doer?


Como pode o amor doer?
Como pode um sentimento tão nobre, tão belo doer tanto?
Como pode ser tão belo e destruidor ao mesmo tempo?
Como pode ser tão doloroso?
Como pode ser tão desastroso?
Como pode o amor doer?
Mas doer não de pensamento,
Não de desilusão,
Não de não concretização...
Mas doer de dor física,
Doer de se sentir um aperto no coração.
Doer de nos faltar o ar,
Doer de quase nos sufocar.
Doer de o coração quase rebentar...
Como pode o amor doer?

30/09/2011

Apenas mais uma...


De agora em diante serei apenas mais uma.
De agora em diante serei o que nunca deixei de ser...
Mais uma... Que passa nesta vida sem sentido,
Sem saber e sem sabor,
Sem desejo e sem paixão,
Sem acreditar e sem sonhar...
De agora em diante serei apenas mais uma.
Mais uma... Que não deixa saudades,
Que não faz sentido,
Que não sente, que não é nada...
Mais uma... Apenas mais uma...
Mulher que desiste...

30/09/2011

Não volto...















Não volto a escrever-te...
Não volto a fazer-te sonhar...
Não volto a fazer-te acreditar que é possível...
Apesar de ser possível,
Apesar de ser o que quero,
Não volto...
Não voltarás a saber de mim,
Não voltarás a "ler-me",
Não voltarás a decifrar-me,
A sonhar-me,
A sentir-me o sabor, o gosto,
O sentir, o desejar, o querer,
O saber e o prazer...
Não voltarás a ter as minhas palavras...
Não volto a dar-me...
Não volto...

30/09/2011

Definitivo

Sim é adeus...
Um adeus definitivo.
Um adeus sem retorno.
Um adeus para sempre.
Um adeus que não regressa,
Não tem de novo olá, bom dia...
Sim é adeus...
Um adeus que não tem volta nem volta.
Um adeus que me leva, de vez...
Um adeus que não me deixa retornar,
Voltar a dizer "cheguei",
Um adeus adeus...

30/09/2011

Até...

Até um dia...
Até me apetecer de novo...
Até esta dor passar...
Não consigo. É demais. Pesada demais...
Até um dia...
Até que esteja de novo curada...
Até que a vida faça de novo sentido...
Até lá vou dormir.
Até lá vou fechar os olhos, desejar não ver.
Viver sim... Mas de olhos fechados,
Fechada em mim, no meu sentir,
No que me dói...
Até estar de novo pronta para a vida,
Até o sol voltar a brilhar,
Até os dias fazerem de novo sentido.
Até lá vou deixar-te viver.
Até lá vou deixar-te sentir o que deves sentir...
Até um dia...
Até...

30/09/2011

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Perdida III


Perdida é como fico...
Perdida sem saber de mim,
Sem saber do dia, da noite
Ou do mar...
Perdida é como fico...
Sozinha, vagueio como uma
folha sem destino, ao sabor do vento,
Sem contrariar...
Perdida é como fico...
Sem ter a tua mão para me guiar,
Para me dar rumo,
Um sentido a mim, à minha vida,
Ao meu ser sem sentido,
Sem viver e sem caminho...
Perdida é como fico
Quando comigo não estás,
Quando te sinto ausente,
Quando não te sinto presente...
Perdida! Perdida é como fico...

29/09/2011

Excepto...

És um veneno que me corre nas veias,
Que me faz deixar de ter vontade
Excepto de ti...
Tentei deixar-te, libertar-te,
Ir, correr, fugir...
Mas não consigo.
És um vício que me prende,
Que me deixa sem querer
Excepto a ti...
Amordaça-me para que não grite!
Prende-me para que não fuja!
Mas vais sufocar-me...
Mas que seja de beijos
Venenosos, viciantes...
Que não me deixem sentir
Excepto a ti...
Mas vais marcar-me
Mas que seja de lenços de cetim
A vendar-me os olhos...
Que não me deixem ver
Excepto a ti...
Mas vais ter-me
Desde que seja dentro de mim
A dar-me prazer...
Prazer que não tem fim
Assim, por ti...
És um veneno que me vicia,
Que não me deixa ser eu
Excepto para ti...

29/09/2011

Sempre...

Sempre... Sempre no meu pensamento,
Sempre no meu querer,
Sempre no meu sonhar e desejar...
Sempre... Sempre perto de mim,
Sempre ao meu lado,
Mesmo sem sentir,
Mesmo sem tocar...
Sempre... Em mim,
Como o teu cheiro nos lençóis
Agora frios, nesta cama vazia,
Mas sempre, sempre cheia de ti...
Sempre com o teu toque na minha pele,
O teu suor a misturar com o meu,
O teu beijo a querer o meu...
Sempre... Sempre fonte de prazer,
Sempre a fazer-me ter,
Mais e mais e mais e mais...
Sempre... É até quando te vou querer.

29/09/2011

Respiro...



















Respiro... Inspiro e expiro...
Sem nexo, sem ritmo, sem saber...
Não sei porque respiro.
Inspiro e expiro...
De forma a que apenas
O coração bata...
Não sei porquê.
Inspiro e expiro...
Apenas para ver passar os dias,
Para que não leve esta culpa comigo.
Para não sentir que desisti...
Inspiro e expiro...
Sem vontade, sem querer realmente
Inspirar e expirar e respirar e viver...
Sem qualquer razão de ser,
Sem qualquer sonho para ter,
Sem horizonte que me alente...
Inspiro e expiro...
Sem sentir os dias passar,
O sol a queimar,
O vento a passar e a chuva a molhar...
Inspiro e expiro...
Apenas porque podes, a mim, voltar...


29/09/2011

Confessa-te...

Confessa-te...Confessa que Sonhas,
Confessa que queres,
Que sou o teu maior desejo.
Confessa-te...
Confessa que não me resistes,
Que não consegues ficar longe,
Que não me consegues deixar...
Confessa-te...
Confessa que não podes ficar sem saber,
Se é igual o meu sentir, o meu querer...
Que não imaginas que vou fugir,
Que vou sair da tua vida...
Confessa-te...
Confessa que me queres sempre:
Hoje, amanhã, depois e depois e depois de depois...
Confessa que sou o teu ponto de partida,
A tua meta, o teu ponto de chegada...
Confessa-te...
Para que eu me possa confessar também...

29/09/2011

Mesmo longe...

Vejo-te... Sinto-te...
Mesmo à distância.
Mesmo longe.
Mesmo sem te sentir.
Sinto-te como se fosses real,
Como se me tocasses,
Como se me olhasses,
Como se me arrancasses a roupa
Num acto de desejo incontrolado,
Animalesco, bruto e feroz...
Sinto-te assim:
Viril, louco de desejo,
Louco por toque,
Louco por bocas que se tocam,
Louco por mãos que voam,
Louco por me ter,
Louco por me possuir...
Sinto-te...
Apesar de não te sentir,
Sinto-te...

28/09/2011

Doce veneno...

Doce veneno... O que tenho em mim,
O que me corre nas veias.
Doce veneno... Que vou expelindo,
Que vou espalhando,
Por ti, por mim, por nós.
Doce veneno... Que te conquista,
Que te faz querer mais.
Doce veneno... Inebriante,
Intenso e viciante.
Doce veneno com que te iludes,
Com que te mantenho por perto,
Com que te enfeitço...
Doce veneno... Que te deixa deslumbrado,
Que te faz desejar, querer e ter prazer.
Doce veneno que te corre pelo corpo,
Que absorves pela pele,
Pela tua boca ávida de beijo...
Doce veneno que te mata de desejo...

28/09/2011

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Sabor de água...

Tenho sabor de água.
Não na boca, mas na pele.
Água que não é de rio,
Doce, calma e serena.
Água que não é de mar,
Salgada, agitada e revolta.
Água que não de água,
Sem sabor, sem cor ou cheiro...
Tenho sabor de água,
Daquela água que nos fascina,
Que é límpida e nos chama:
Vem! Mergulha em mim!
Banha-te, delicia-te, entrega-te...
Vem! Deixa-me rodear-te,
Envolver-te e tocar-te...
É este o meu sabor,
O sabor da minha água...


27/09/2011

Como queria...

Como queria poder tocar-te,
Saber-te aqui, ao meu lado,
Com o teu sorriso, a tua presença.
Como queria poder falar-te,
Contar-te de mim,
Ouvir sobre ti...
Como queria poder abraçar-te,
Sentir-te, mimar-te, amar-te...
Como queria...

27/09/2011

Vou deixar-te...

Vou deixar-te... Vou deixar-te seguir o teu caminho.
Não posso prender-te a mim.
Não posso deixar que deixes de viver.
Que deixes de ser quem és.
Vou deixar-te...
Vou libertar-te de mim.
Vou cortar as amarras que nos prendem,
Ou melhor, as amarras com que te prendo a mim.
Como gosto de te prender,
De te ter por perto,
De te ter sempre que me apetece,
Como gosto de te ter nas minhas mãos,
De te manobrar, de te fazer ser meu!
Só meu! Por inteiro, só meu!!
Vou deixar-te...
Vou dar-te a liberdade.
A liberdade que eu anseio...
A liberdade que perdi quando me entreguei
A esta loucura, a este sentir, a este querer!
Vou deixar-te, para poder ser livre...

27/09/2011

Talvez...

Talvez seja melhor. Talvez.
Seja preferível assim. Talvez.
Talvez nunca nos devessemos ter cruzado.
Talvez nunca nos devessemos ter falado,
Ouvido, tocado, entregue, sentido e amado...
Talvez tenha sido amor,
Talvez tenha sido ilusão.
Talvez tenha sido o melhor do mundo.
Talvez!
Talvez tenhas levado de mim tudo de bom que havia.
Talvez tenhas acabado com o meu sentir,
Talvez esteja morta agora...
Agora que não te reconheço,
Que não te sinto meu,
Que não me sinto tua...
Talvez seja melhor ires em frente,
Talvez seja a única forma de eu ser feliz.
Talvez sem ti eu VIVA!!!
Talvez....

27/09/2011

Silêncio II



O silêncio que me acompanha...
É imenso... Cobre-me por completo.
Inunda-me mais que o mar mais profundo.
É mais profundo que o maior precipício.
O Silêncio... O silêncio que apaga o meu pensar,
Que abafa os meus passos no soalho,
Que me fecha a boca,
Que me impede de ouvir...
O silêncio que me acompanha
É imenso...
Não me deixa sentir na pele,
Não me deixa tomar o paladar da cereja,
Não me deixa sentir o odor da rosa,
Não me deixa ouvir o trovão de Inverno,
Não me deixa ver a luz quente do Sol...
O silêncio que me acompanha
Não me deixa viver...
Não me deixa respirar,
Não me deixa o coração bater,
Apaga-me... Deixa-me morta....
O silêncio que me acompanha...
O teu silêncio...

27/09/2011

É possível...

Entreguei-me... Sem medo,
Sem receio, Sem pejo,
Sem credo...
Entreguei-me... Mais que isso:
Dei-me!
De corpo e alma.
A ti, ao teu amor,
Ao teu corpo, ao teu prazer.
Dei-me!
Com todo o meu sentir,
Com todo o meu querer,
Os meus sonhos,
A minha ilusão,
A minha vontade de ti,
De te pertencer...
Entreguei-me...
A nós. Ao que tínhamos...
Não! Foi mais que isso:
Dei-me!!
Por completo. Acreditei em ti,
Nas tuas palavras doces,
Traidoras, Enganadoras.
Acreditei em ti,
Nas tuas palavras falsas,
No teu falso amar,
No teu incerto querer...
Dei-me! Fui tua!
Só tua!
E não deste valor...
Não soubeste aproveitar,
Não soubeste me amar...
Mas Dei-me!
Dei-me e sem arrependimento.
Cresci com isso, Aprendi.
Sou mais mulher.
Dei-me! E continuo a sonhar.
Continuo a acreditar,
Sim, que é possivel voltar a amar...

27/09/2011

Nos teus braços...

Nos teus braços encontrei tudo.
Encontrei aconchego,
Encontrei carinho,
Amor e sentimento...
Nos teus braços encontrei tudo.
Encontrei alegria,
Encontrei sonhos,
Planos e fantasia...
Nos teus braços encontrei tudo.
Encontrei apoio nas horas de aflição,
Encontrei força quando os joelhos fraquejavam...
Nos teus braços encontrei tudo.
Encontrei-me. Cresci. Aprendi.
E perdi-me...
Perdi-me de amor, de sentir.
Perdi-me de prazer e querer.
Sou tua... Nos teus braços.

27/09/2011

Sabes-me...

Sabes-me a mar.
Aquele mar que se entranha,
Que nos salga a pele.
Aquele mar de praia no Outono,
Em que a areia se despe das gentes,
Em que o mar a galga contente...
Aquele mar que não é frio,
Que como os dias e morno,
Toque suave na pele...
Sabes-me aquele mar
Que engole e abraça o sol
De cores laranja, pálidos e tímidos...
Sabes-me ao mar.
Aquele mar em que me entrego,
Toco, provo, sinto e perco...


26/09/2011

Aconteceu...

Fi-lo... Fi-lo novamente.
Mas que culpa tenho?
Se sou eu, a minha natureza?
Fi-lo... Mas sem querer.
Acredita que não queria.
Não queria... Não estava nos meus planos,
Não era o propósito...
Mas sabes?Ainda bem que fiz...
Ainda bem que aconteceu.
Assim, sabes quem sou:
Crua, bruta, sem sentir...
Uma mulher que usa,
Abusa e destrói...
Sou pérfida,
Não presto, não sirvo para ninguém.
Sou apenas minha.
De mim, do meu ser, do meu querer
E do meu sentir.
Temo que não sinta como os outros,
As outras...
Talvez não tão diferente assim...
Talvez me iluda,
Talvez te engane agora,
Apenas com estas palavras e seja,
Apenas mais uma
A tentar ser diferente...

26/09/2011

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Escuta...

Escuta... Percebes?
Consegues perceber?
O grito das ondas do mar
A desfazerem-se na areia?
Consegues perceber?
O rugir das águas do rio
A entrar no mar?
Consegues perceber?
O uivar do vento
Por entre os plátanos
Já pintados de vermelhos?
Consegues perceber?
O medo das folhas
A partirem no chão?
Consegues perceber?
O bater do meu coração
Reclamando por ti?
A minha respiração
Suspensa no tempo,
Sem vontade de voltar,
De respirar. De sentir...
Escuta...
Consegues perceber?
Sou eu.
No mar.
No rio.
No vento e nas folhas...
Escuta...

26/09/2011

Louca Loucura...

Loucura... Loucura tua.
Loucura minha.
Loucura nossa...
Loucura que me faz sonhar,
Que me mata os sonhos,
Que me faz delirar,
Que me leva ao chão....
Loucura de sentir,
De não tocar,
De amar e odiar.
Loucura de querer,
De não poder e não ter.
De poder ter e não saber...
Loucura que faz avançar,
E pensar e recuar...
Loucura que me enlouquece,
Que me entristece e
Faz chorar.
Loucura que me enche de ilusões,
Que me faz acreditar,
Que me faz querer viver!
Loucura que não te entendo,
Loucura que me completa
Que acaba comigo,
Que em mim despoleta
Todo e qualquer sentido...
Louca Loucura....

26/09/2011

Vieste até mim...

Vieste até mim... Encontraste-me...
Entraste na minha vida,
Entraste em mim
De forma suave,
Gentil, doce, sem dar conta...
Vieste até mim.
Despido de preconceitos,
Despido de camuflagem,
Apenas tu. Simplesmente tu.
Vieste até mim. Deste-te...
Sem medo, sem receio,
Com coragem de partilha,
Coragem de te mostrares,
De te dares...
Sim... De entregar nas minhas mãos
O teu bem mais precioso:
O teu sentir. O teu ser.
Único.
Vieste até mim...
E eu... Eu recebi-te.

26/09/2011

Chegas-me...
















Chegas-me. Sim, és-me suficiente.
Aliás... És tudo que me importa.
Chegas-me. Só tu me compreendes,
Só tu consegues ver-me,
De forma nua e crua,
Sem palavras bonitas,
Sem sonhos,
Sem desejos...
Chegas-me. Só tu sonhas como eu,
Com o dia em que nos iremos juntar,
Unir e perceber que somos apenas um.
Com todas as nossas falhas,
Com todas as nossas virtudes...
Chegas-me. Tu que me sabes,
Que me reconheces em cada palavra que lanço ao vento,
Em cada frase que jogo no mar,
Em cada música que ouço...
Chegas-me. Só tu.
Tudo o resto pode ir...
Pode desaparecer,
Pode nunca mais voltar,
Deixar de ser...
Chegas-me! Quero-te!

26/09/2011

Amanhã


Amanhã dir-te-ei tudo.
Tudo o que ficou por dizer,
Tudo o que os olhos não disseram,
Tudo o que a boca e os lábios calaram...
Amanhã será o dia para te dizer,
Tudo que não foi dito,
Tudo que ficou guardado,
Que não é permitido.
Amanhã direi tudo,
Tudo que anseias,
Tudo pelo que esperas,
Tudo que mais desejas...
Amanhã dir-te-ei que sou tua,
Completa, por inteiro...
Amanhã...

25/09/2011

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Os teus olhos...




Os teus olhos,

Como me fascinam.
Como não evito mergulhar
Nesse mar que é o teu olhar.
Como me acariciam o rosto,
Suave e delicadamente
Como a noite de lua cheia,
Quase quente, a iluminar a areia.
Como me sorriem
De forma condescendente
Quando dos meus lábios
Sai uma frase quase infantil,
Quase inocente...
Como me fazem sonhar
Quando esse teu olhar
Nos meus vem desaguar
Qual rio de águas calmas
Seguro de querer com o mar
Unir-se e juntar...
Como me despem ao meu passar,
Como chuva de dilúvio,
Que tudo leva num segundo,
Toda a roupa me arrancar,
E apenas a pele ficar a admirar.
Os teus olhos me fascinam,
São mágicos como espelhos,
Espelho que nos meus reflectem
Todo o teu ser, teu desejo e teu querer...


25/09/2011

Sei que estás aí...

Sei que estás aí,
Que me ves,
Que ouves estas palavras.
Sei que estás aí
Que as sentes,
Que quase as decoras.
Sei que estás aí,
Apesar de na sombra,
Apesar de não te saber
Ou reconhecer.
Sei que estás aí,
Num vai e vem,
Num jogo de escondidas,
Num quase te largo e te apanho.
Sei que estás aí,
Apenas isso...


25/09/2011

Para mim...

Para mim nasce o dia,
De sol, de azul céu,
De querer viver,
De alegria...
Para mim cai a chuva
Das núvens escuras e cinzentas,
Para me lavar as tristezas...
Para mim sopra o vento,
Umas vezes doce uivo,
Outras em que assobia...
Para mim sorris,
Sinto teus lábios tocar os meus,
Sinto teu corpo o meu abraçar,
Tens de volta e sempre
Todo o meu ser...
Para mim o teu cheiro
De âmbar e toque de madeira,
Teu cheiro que me enche de viver,
De te querer e de te ter...
Para mim és tudo que quero,
Meu intenso e jamais efémero.
Para mim, és razão de viver,
Para mim és tudo,
Meu amor...

24/09/2011

Chega


Chega... Chega, basta!
Não quero mais este sentir!
Chega de tanto penar,
De tanto por ti ter de sorrir,
De tanto aos outros e a mim enganar!
Chega de tanto sofrer
De tanto em tuas mãos me entregar,
De tanto em tuas mãos não ter,
Apenas dar por dar e não receber...
Chega! Chega de tanto não te querer,
De apenas ter o meu sonhar,
Sonhar amar e dar e ter
De verdade sem temer.
Dar por querer e não por medo,
Dar por amor e não por receio
Desse teu lado obscuro,
Que apenas surge no canto,
No canto do quarto sempre escuro...
Chega! Vou ser feliz!
Chega!

24/09/2011

Meus dedos...


Meus dedos que tocam no rosto,
No braço e no peito,
No corpo e não mostram
A vontade e desejo
De tocar mais perto.
Meus dedos que tocam os teus,
Que se entrelaçam e apertam
Que se roçam levemente
Que pela palma da mão se deslacam...
Meus dedos que me arrepiam,
Me fazem lembrar os teus,
Descendo pelo pescoço,
Descobrindo meu peito,
Subindo pelas costas...
Meus dedos como os teus,
Tocando e sabendo recantos meus,
Gostos meus que sei são teus...
Dedos meus que não sabem como os teus...

24/09/2011

Faltas-me...


Faltas-me como o sol
Nos dias cinzentos.
Faltas-me como a chuva
Nos dias calorentos.
Como a brisa a esvoçar
E afagar-me os cabelos.
Faltas-me como o ar
Quando me inundo de mar,
Na esperança de te sentir.
De te poder encontrar
Num abraço que cobre,
Me enche e percorre,
Como nem consegue o mar...
Faltas-me no acordar,
Teu sorriso ao levantar,
Teu beijo ao deitar...
Faltas-me...
Quero saber
De cor o teu respirar,
O teu tocar, beijar e amar.
Faltas-me tanto e ainda há tanto,
Tanto para desvendar...


24/09/2011

Resisto...











Resisto qual cana ao sabor do vento,
Sem medo de vergar,
De dobrar, de partir...
Resisto ao passar do tempo,
Sem receio do que vem,
Com o sonho do desejo...
Resisto ao passar das horas,
Sem pensar no que me falta,
Apenas no que me apetece...
Resisto ao teu olhar,
Que me enche de sonhos,
De vontade de amar...
Resisto ao teu toque,
Que me enche de arrepio,
De vontade de me dar...
Resisto ao teu abraçar,
Que me dás e faz querer voltar...
Resisto ao que não resisto...
Resisto sem vontade de resistir,
Engano-me...
Iludo-me em resisitir...
Resisto aos dias,
Pensando no dia em
Que te vou ter.
Em que me vou dar e te receber...

23/09/2011

Toca-me...


Toca-me! No pensamento
Quero pensar-te...
Toca-me! Na alma,
Quero entender-te...
Toca-me! No coração,
Quero amar-te...
Toca-me! Na mão,
Quero tocar-te...
Toca-me! No rosto,
Quero sorrir-te...
Toca-me! Na boca,
Quero beijar-te...
Toca-me! No corpo,
Quero sentir-te...
Toca-me! Onde no pescoço,
Quero arrepiar-me...
Toca-me! Nos seios,
Quero ofegar-me...
Toca-me! No ventre,
Quero contrair-me...
Toca-me! Nas pernas,
Quero apertar-te...
Toca-me! Nas coxas,
Quero abrir-me...
Toca-me! Toca-me!
Quero apenas entregar-me...

21/09/2011

Vai, segue...


Vai. Vai, segue o teu caminho.
Hoje não me dizes nada.
Hoje não te quero mais.
Que não compreendes?
Que não entendes?
Que não queres perceber?
Vai. Vai, segue o teu caminho.
Não sou quem pensas.
Não sou quem esperas.
Não sou quem queres.
Hoje não. Não sou.
Hoje sou eu. Sem medos,
Sem máscaras,
Sem condicionantes.
Vai. Vai, segue o teu caminho.
Quero apenas que sejas TU.
Tu e apenas tu.
Único, sincero e verdadeiro.
Tu. O teu ser. A tua essencia.
Que sejas feliz no teu corpo,
Com a tua personagem.
Vai! Vai, Segue o teu caminho!
Eu... Eu vou seguir o meu...

21/09/2011

Fica!

Fica! Fica comigo..
Com o meu ser,
Com o meu dar e deixa que passe a ser o teu ter.
Fica! Fica comigo...
Com o meu rir,
O meu partilhar,
O meu sentir,
O meu sonhar.
Fica! Fica comigo...
Com o meu tocar,
O meu beijar,
O meu viver e o meu querer.
Fica! Fica comigo...
Ofereço-me.
De corpo e alma.
Por completo.
Por inteiro.
Fica! Fica comigo...
Dá-me a tua entrega,
A tua vivência,
A tua força,
A tua luta.
Fica! Fica comigo...
Faz-me crescer,
Aprender e compreender
O dar e o receber.
Fica! Faz-me ser mulher!!!

21/09/2011

Vem tocar


O teu olhar imenso e profundo,
Vê-me o corpo e ainda a alma,
Vê mais do que tudo isso,
Vê em mim a mulher.
Teus lábios são de desejo,
Tua boca a minha procura,
Sem pudor e sem pejo,
Logo teu sabor invade a minha.
Teu querer e sentido,
No beijo, no abraço,
No corpo no meu espremido,
No ouvido apenas um gemido...
Louca entrega me fazes dar,
Meu corpo assim, sem parar,
Sem temer o teu roubar
De tudo em mim querer provar...
O teu olhar que me devora,
Suave, quente e sem demora,
Foi apenas num ollhar,
Que eu sabia, me iria entregar...
Anda! Toma-me!
Sou tua!
Para de olhar e vem, vem tocar...


21/09/2011

Cresceu...


Ela cresceu, Já não é a mesma:
Inocente, indefesa e vulnerável.
Ela cresceu.
Já não sente igual:
Apaixonada, sonhadora e imutável.
Ela cresceu.
Entendes?
Já não é a mesma:
Tornou-se mulher,
Lutadora,
Frágil e ao mesmo tempo forte.
Sedutora e intocável.
Não acredita. Em sonhos e fantasias,
Ilusões e contos de fada.
Entendes?
Ela cresceu, já não é a mesma:
Deu-se, entregou-se,
Mostrou-se e revelou-se
Pura, honesta e sensível.
Agora não é a mesma...
Cresceu.
E tornou-se como todas as outras.
Em nada diferente,
Vidas de todos e de toda a gente...

21/09/2011

Quando

Quando me tocas,
Quando me beijas,
Quando os teus dedos percorrem
O meu corpo,
Quando a tua boca se cruza na minha,
Quando?
Quando o meu sabor
Sentira o teu,
O meu toque
Encontrará o teu,
O meu cheiro será o teu,
Quando?
Quando o meu corpo
Tocará o teu,
O meu suor se misturará com o teu,
O meu prazer será só teu,
Quando?
Quando me farás ser tua,
De corpo e toque e prazer,
Onde a alma apenas flutua,
Sem medo de receber...
Quando? Quando?

21/09/2011

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Se...

Se eu fosse o mar e tu o céu
Nada nos impediria de nos tocarmos
No horizonte,
Todos os dias, a toda a hora...
Se eu fosse as estrelas e tu o céu
Nada impediria que eu vivesse em ti,
Que eu brilhasse todos os dias para ti...
Se eu fosse o sal do mar e tu o mar
Nada impediria que eu me dissolvesse em ti,
Me entranhasse na tua água...
Se eu fosse eu e tu fosses tu,
Nada nos impediria de sermos os dois
Quem somos e de nos unirmos
E fazermos parte um do outro...
Se eu fosse outra que não eu,
Se tu fosses outro que não tu,
Nada nos impediria de não podermos ser um...

19/09/2011

Deixa-te levar...

Deixa-te levar... Levar pelas sensações.
Pelo sentir do teu corpo.
Pelo sentir do teu ser.
Pelo sentir do teu querer e do teu prazer.
Deixa-te levar... Levar pelas emoções.
Pelo apaixonar.
Pelo amar.
Pela adrenalina de me ter.
Deixa-te levar...
Levar por mim.
Para onde quiser,
Como quiser...
Deixa-te levar... Levar e guiar.
Guiar pelo meu desejo.
Pela minha vontade.
Pela minha entrega no teu dar.
Pelo meu prazer que tanto queres provar...
Vem! Deixa-te levar...

19/09/2011

Vem sobre mim...


Vem sobre mim...
Sobre o meu ser,
O meu viver,
O meu sentir...
Quero esse teu aroma de mar,
Que me renova,
Que me dá força.
Quero esse teu sabor de fruta,
Que me revigora,
Que me renasce.
Quero esse teu toque de veludo,
De cetim, de nobres tecidos,
Que me envolvem,
Que me aquecem,
Que me arrefecem,
Que me fazem desejar,
Que me fazem sonhar...
Vem sobre mim...
Mostra-me o teu ser,
O teu querer,
O teu sentir...
Dar-te-ei o meu cheiro de flores,
De jasmim e magnólia.
Dar-te-ei o meu sabor de cereja rubra,
Doce e fresca.
Dar-te-ei o meu toque,
A minha pele de arrepio,
O meu corpo em suspiro...
Vem sobre mim...

19/09/2011

Viver...

Quero viver... Viver!
Tão somente Viver.
Viver o dia que agora nasce,
Carregado de esperança,
De luz... De cor!
Viver a tarde que me aquece,
Repleta de gente que passa,
Que canta e que dança!
Viver o entardecer,
O sol que vai desaparecendo
Em tons laranja e magenta,
De calor e cor e mar!
E som!!
Viver o som da vida!
Do cantar do melro,
Do cair da chuva no chão,
Das ondas a quebrar na areia!
E Sentir!
Viver o sentir do teu coração,
Do teu arfar de emoção,
Do teu corpo tocar no meu!
Viver o toque,
A entrega e sensação.
E dar-me! E ter-te!
E perder-me em ti e no teu querer!
Quero Viver! Viver!

19/09/2011

Vem repousar...

Vem. Vem repousar teu corpo
Junto ao meu.
Vem descansar tuas mãos no meu.
Entrelaçar teus dedos nos meus cabelos,
Deixar-me tranquila e calma!
Vem.
Vem juntar teu corpo ao meu.
Bem juntos, bem unidos,
Bem colados e espremidos...
Vem.
Vem sentir-me acalmar para
Com as tuas mãos a me tocar
A seduzir e excitar...
Vem.
Vem fazer-me acordar
Os sentidos do prazer,
Do sentir e do te ter...
Vem! Vem...

17/09/2011

Preciso...

Preciso!
De mais! Mais!
Mais sentir, mais ardor!
Mais querer e mais sabor!
Preciso!
De tocar e beijar,
De deixar de sonhar,
De te ter e de me dar!
Preciso!
Desse gosto, do teu paladar,
Do teu toque me arrepiar,
Do teu corpo no meu rocar!
Preciso!
De me abrir, me entregar,
Te pedir e deixar,
Entrar em mim e me tomar!
Preciso!
Que me faças vibrar,
Que arranques de mim
Todo este mar,
Que mo faças derramar!
Preciso!
Que me vires e revires,
Que me tomes e retomes,
Que te tornes meu.
Preciso...

17/09/2011

Guardo comigo




Guardo comigo todas as lembranças,
Cada pormenor, cada palavra trocada.
Cada arrepio sentido, cada emoção controlada.
Guardo comigo a tua essência,
Imutável e a minha tão idêntica.
Guardo cada traço do teu ser,
Cada característica que me faz querer
Ter mais e mais conhecer.
Guardo o teu lado sentido,
O teu medo de ser traído,
O teu querer sentir desmedido!
Guardo o teu lado sensível,
O teu lado apetecível,
De tomar e ser tomado.
Guardo o teu desejo de querer
Tanto e tanto e mais prazer,
De te sorver e ser sorvido,
De me dar e ser recebido.
Guardo em mim e relembro,
A todo o instante esse sentido,
E espero mais ir descobrindo...


17/09/2011

Retrato

Retrato... O meu retrato
Que não compreendo,
Que não vejo e já não admiro...
Que conheço como a palma da mão,
Mas que me confunde a todo o momento.
Retrato...
De mim, do meu eu
Que não sei descrever,
Que muda de acordo com o teu ser...
Com o amanhecer,
Que me faz ser diferente
Todos os dias...
Retrato... Teu que me condicionas.
Que me toldas e moldas
A teu bem querer.
Retrato que não é meu
Mas de ti: do teu querer,
Do teu sentir e do teu prazer...
Retrato de mais um igual a ti,
Nunca de mim...
Retrato que tenho de largar,
De me soltar e voltar a sonhar.
Retrato que tenho de voltar a reconhecer,
A ser, a sentir, a viver....

16/09/2011

Importância

Que importância tem a vida sem ti?
Sem o teu viver,
O teu sentir,
O teu querer,
O teu dar,
O teu receber,
O teu ser,
O teu perceber,
O teu compreender,
O teu partilhar,
O teu paladar,
O teu sabor,
O teu prazer,
O teu amar?
Que importância tem a vida sem mim?
Sem o meu te querer,
Te sentir,
Te dar e receber,
Te saber e saborear,
Te querer e desejar,
Te amar?
Que importância tem se não for a dois?

16/09/2011

Quem és tu?

Quem és tu que me persegue o pensamento,
Que me preenche de sonhos doces e suaves?
Quem és tu, que me completa as frases,
Que me compreende as vontades,
Que me entende as saudades?
Quem és tu, que me faz falta,
Como o ar que respiro,
Que me mata, quase asfixio?
Quem és tu, que me empolgas em cada palavra,
Que me faz desejar ser tocada,
Sentida, beijada e tomada?
Quem és tu que me desperta os desejos,
De sentires, paladares e beberes,
De viver e de prazeres?
Quem és tu que me faz querer ser tua,
Única e somente tua?
Quem és tu que me toma o corpo e a Alma,
Que me domina o sentir da pele e do coração,
Que me deixa sem margem para pensar,
Sem ter os pés no chão?
Quem és tu,
Senão um amor que me enche de ilusão?


16/09/2011

Rastejo...


Rastejo em mim,
Em ti, por ti...
Sem sentido, neste caminho perdido.
Perdido de tudo: de amor, de futuro,
De mim!!!
Rastejo por caminhos de podridão,
De gente mesquinha e sem sentido,
De não quererem dar a mão,
De apenas terem o vivido...
De quererem calcar,
Espezinhar nas suas vidas vazias,
Vazias e mais vazias que eu.
Porque eu...
Rastejo. Consciente de tudo,
Desta vida sem futuro,
Carregada de medos, inseguros...
Mas vou levantar-me.
Re-erguer os braços,
E viver!!!

15/09/2011

E no fim...

E no fim, nada vale a pena...
Tudo perdido,
Tudo sem sentido...
Tudo que conquistei, foi-se...
Foram-se sonhos,
Conquistas diárias,
De dias ou apenas de minutos...
Confiei. Confiei tanto...
E agora... Nada.
Vazio.
Entreguei-me. Entreguei tudo.
Tentei tanto e tive tão pouco.
Tive tanto que lutar
Para nada...
Agora nada faz sentido.
E no fim...
Tudo estranho, Tudo perdido.
Nada fez sentido.
E no fim...

15/09/2011

Fogo...

Fogo este que tenho dentro de mim,
Que me incendeia,
Que me mata aos poucos...
A carne cedendo à dor,
O sentir esmorecendo
Sem qualquer pudor...
Fogo este que me corrói,
Que me fica nas entranhas...
Dá-me uma razão para não ficar assim.
Dá-me um motivo
Para tanta distância no teu olhar,
Nas tuas palavras frias
Sem sentido...
Quero que este fogo
Passe para ti:
Te queime,
Te parta,
Te corrompa,
Te faça sentir esta dor imensa
Que não seja apenas minha...
Que também tu a sintas...
Por tu... És a causa desta dor
Imensa, Intensa
Que queima,
Que mata,
Que definha todo o meu ser...
Este fogo...

15/09/2011

Ser...

Louca... De vontade
De correr, de voar,
De me perder em verdes campos
Pincelados de vermelho de papoilas...
Louca... De vontade
De mergulhar, de cruzar,
de me afogar em azuis mares
Carregados de coral...
Louca... De vontade
De provar, matar a sede,
Saborear cálices de néctar
Límpido e refrescante,
Ou quente e aconchegante.
Louca... De vontade
De viver, de sentir,
De degustar, de tocar,
De querer e desejar,
De ter e dar,
De ver e olhar...
Louca... De vontade
De partilhar emoções,
Sensações, gostos e ilusões,
Sonhos e tentações...
Louca... De vontade
De ser... Tão e somente EU...

14/09/2011

Diz-me


Diz-me... Diz-me que me queres.
Que sou tua.
Que sou o teu desejo.
Que sou tudo que almejas.
Diz-me... Diz-me que me queres.
Apesar da minha imperfeição.
Apesar da minha estranha loucura.
Apesar da minha impacência.
Diz-me... Diz-me que me queres.
Com tudo que tenho.
Com tudo que sonho.
Com tudo que crio.
Diz-me... Diz-me que me queres.
Que me aceitas falha.
Que me aceitas impura.
Que me aceitas culpada.
Diz-me... Diz-me que me queres.
Com todas as exigências.
Com todas as cedências.
Com todas as tormentas.
Diz-me... Diz-me que me queres.
Com o sorriso de menina.
Com o jeito de mulher.
Com a firme certeza.
Diz-me... Que me aceitas,
Por inteiro, completa, imperfeita...
Diz-me.. Apenas...

14/09/2011

Desejo incontido

Desejo incontido,
Desejo perdido,
Perdido no meu ser,
No meu querer,
No meu desejar...
Desejo incompreendido,
De ter e não poder,
de querer e não saber,
de te sentir e não tocar,
De te provar e não saborear...
Desejo de vendar
Os olhos e apenas sentir...
O teu querer, o teu saber
O teu tocar e o teu beber...
Beber de mim...
Desejo louco de ti...
Desejo louco de nós...
Desejo não contido,
Desejo achado em ti e em mim
No nosso beijo descontrolado...
No nosso toque vibrante,
Enlouquecido de tanto...
Amar-TE!!!

14/09/2011

Segue-me

Segue-me. Qual minha sombra.
Qual meu pensamento.
Segue-me. Qual meu companheiro.
Qual meu sentimento.
Segue-me. Como se segue a própria mente.
O próprio querer e desejar.
Segue-me. Por onde quer que eu vá.
Segue-me. Entende-me. Sente-me.
Olha-me. Segue-me. Olha-me.
Segue-me. Qual caçador em busca da presa.
Qual simples humano em busca da sua Deusa.
Qual simples homem em busca da sua mulher.
Segue-me. Encontrar-me-ás.
Segue-me. Perceberás.
Segue-me. Ter-me-ás...

14/09/2011

Pronto...

Estás pronto? Preparado para o que te espera?
Pronto para me receber ou para fugir?
Pronto para me abraçar ou para não chegares?
Pronto para me aceitar, para me receber?
Pronto para te afogares em mim,
No meu mar de desejo,
De querer, de TE querer?
Pronto para me fazer querer ser outra?
Outro alguém. O Teu alguém.
Pronto para veres retratado em mim
Todos os teus sonhos de mulher?
Todos os teus desejos concretizados.
Pronto para os veres ir mais além?
Pronto para sonhar o que jamais foi imaginado?
Pronto para teres todas em mim?
Pronto para me veres diferente a cada dia?
Intensa e inocente.
Deusa e plebeia.
Doce e rebelde.
Estás pronto?
Pronto para mim?

14/09/2011

Rasga















Rasga, corta, livra-te de tudo que sabes,
Que conheces, que sentiste...
Rasga com as amarras do passado,
Do que foi, do que foste, do que viveste...
Rasga com tudo e vem.
Vem ter comigo...
Rasga os fios que me toldam os movimentos,
Que me prendem e não dão liberdade...
Rasga e liberta-me.
Quero ser livre em ti, em mim,
Em nós, por nós...
E quando chegares vou dizer-te:
Rasga. Rasga-me um sorriso no rosto.
Rasga-me a roupa, o vestido...
Rasga-me a pele com o teu toque,
Com o teu beijo,
Com o teu querer e desejo...
Rasga-me o corpo,
Abre-me,
Rompe-me e dilacera-me de amor...

13/09/2011

A caminho de ti


A caminho de ti me encontro,
Me perco, me acho e repenso.
A caminho de ti me reinvento,
Me recrio, me contesto...
Que vício, que desespero este,
A caminho de ti.
Que me chama de forma inaudível,
Que me aquece de forma impossível de sentir.
A caminho de ti me questiono,
Me interrogo: que queres?
Porque me procuras?
Porque me indicas o caminho?
Porque me fazes percorrer estradas
Que não sei se quero percorrer, se posso,
Se... Aguento, a caminho de ti.
Sei que as vou percorrendo,
De forma subtil...
Preciso que vás alumiando os trilhos,
De qualquer forma, que me indiques
Que me faças andar.
A caminho de ti...

14/09/2011

Lembrança...

Lembrança que me persegue,
Que não me abandona,
Que ficou cravada em mim.
Na minha mente, na minha memória,
Nas minhas recordações...
Lembrança que não desaparece,
Que não quer deixar de estar,
Aqui, comigo, em mim...
Lembrança do teu beijo
Nos meus lábios, na minha boca, na minha língua...
Beijo que me ficou gravado
No toque, na intensidade, no sabor...
Sabor que não me larga...
Lembrança do teu toque,
Quente na minha pele gelada,
Suave na minha pele arrepiada...
Toque que me fazia olhar-te,
Pedir-te com suspiros: Mais. Quero mais...
Lembrança do teu corpo junto ao meu.
De como se colou ao meu.
De como se entrelaçou e roçou
E abraçou e apalpou
E tocou e não abusou...
Lembrança de como queria que tivesse abusado,
Tocado, Sentido, Beijado mais...
Lembrança que não te quero lembrança...

13/09/2011

Envolve-me!


Envolve-me no teu manto de sedução.
No teu mar de ilusão,
No teu corpo de sensação...
Envolve-me primeiro devagar,
Como se fosses deslizar pelo meu corpo
A escorregar... Suave e sedutor,
Faz-me arrepiar...
Envolve-me com força,
Com desejo e por completo.
Envolve-me no teu corpo de prazer
E deleite...
Envolve-me de tal forma
Que apenas um seremos,
Misturados os segredos,
Os desejos e os quereres.
Envolve-me de tal forma que
Em mim ficarás. Cá dentro. Bem fundo.
Envolve-me!


13/09/2011

Sou...

Sou teu sonho, teu desejo,
Teu prazer, teu querer.
Sou tua escrava, tua amante,
Tua dona e inocente.
Sou tua razao de viver,
Tua loucura sem saber,
Teu vicio mais premente,
Que no corpo mais se sente.
Sou quem te sente,
Quem te entende e te quer sempre...


13/09/2011

Ainda não sabes...


Ainda não sabes mas sou tua...
Tua de corpo e alma.
Porque me conquistaste,
Porque me seduziste,
Porque me fizeste sonhar...
E como eu preciso de sonhar!
De acreditar que vale a pena.
Que vale a pena sentir,
Querer, desejar.
Dar, ter e trocar.
Trocar palavras banais ou de amor,
Trocar sonhos irreais ou de valor,
Trocar desejos de corpos e do seu suor...
Sou tua... Mas ainda não sabes...

11/09/2011

A última vez...

A última vez. Que me ves...
Que me sentes...
Que me ouves...
Vou partir.
Deixar-te seguir... Ir em frente,
Crescer e ser mais...
Mais tu, sem pressão,
Sem conceitos e amarras...
A última vez. Que te vejo...
Que te sinto...
Que me revejo em ti...
Que me perco por ti,
Pelo som das tuas palavras,
Pelo sonho da ilusão que tanto desejei...
A última vez que te faço feliz ou infeliz...
Já não sei... Tudo esmoreceu...
Tudo se perdeu...
No dias, nos silêncios,
Nos jogos de palavras...
A última vez. E hoje a última vez...

12/09/2011

Tarda em chegar

Tarda em chegar o sono,
O sonho, o novo dia.
Tarda em chegar o repor das forças,
O nascer da esperança,
Como o nascer do sol...
Tarda em chegar a hora,
Da mudança, da decisão,
Da nova vida...
Tarda em chegar o dia
Em que tudo estará em ordem,
Em que o meu corpo
Receberá o sono,
Sem vontade de acordar.
Apenas porque ao meu lado
Tu vais, em pleno, estar!
O novo dia, tarda em chegar...


11/09/2011

Não quero saber

Não quero saber. Não quero mesmo.
Não me importa. Não é comigo.
Já não me importa. Já não é comigo.
Tentei. Tentei de todas as formas
Que me dissesse respeito,
Que partilhasses,
Que te desses,
Que me contasses,
Que te abrisses...
Mas não... Não quiseste,
Não acreditaste,
Não partilhaste,
Não me admitiste saber de ti.
Tentei. Tentei de todas as formas
Saber de ti. Do teu mais profundo "eu".
Saber do teu pensar, do teu sentir,
Do teu compreender e querer.
E deste-o ou foste dando a outros,
Partes de ti, que partilhaste como um puzzle.
Disperso... Sem nexo... Sem fio condutor...
Perdido, estás perdido...
Mas agora...
Não quero saber.

09/09/2011

À espera...














Gosto quando apareces sem aviso.
Quando surges do vazio,
Me tocas e me fazes sonhar.
Sonhar com o teu olhar,
O teu beijo, o teu amor...
Gosto quando estou deitada,
E me mantenho assim, apesar
De te sentir entrar no quarto.
Gosto do teu beijo suave no meu ombro.
Gosto da tua mão a deslizar,
suave, delicada e lentamente,
Pelos contornos do meu corpo...
Gosto de sentir que me olhas,
Num misto de desejo e paixão,
Quase de adoração...
Gosto do teu abraçar arrebatador,
De acordar com a tua boca na minha.
De me entregar de imediato...
De me fazeres tua sem se ouvir uma palavra.
Toque, olhar, sentir e dar...
Gosto quando chegas a casa e já estou deitada,
À tua espera.
À espera de ser amada...

09/09/2011

Quem és?

Procuro-te. Tento encontrar-te...
Por entre palavras e rostos,
Por entre versos e músicas,
Por entre livros e plateias de cinema...
Procuro-te. Em todos por quem me cruzo,
Em quem me ofereça um sorriso,
Em quem me olhe uma segunda vez...
Procuro-te. Sem te encontrar,
Sem te achar, sem te perceber...
E tu? Procuras-me?
Se nos cruzarmos iremos perceber
Quem somos?
Iremos sentir o coração disparar,
Como nos nossos sonhos,
Falados e sonhados acordados?
Procuro-te, mas não te sinto...
Não te encontro.
És real? És imaginação?

09/09/2011

Incapaz

Incapaz... É como me sinto,
Hoje, aqui, agora que partiste...
Incapaz... De me levantar
Desta cama vazia e sem qualquer sentido agora...
Incapaz... De seguir para o banho
E libertar-me de ti. Definitivamente,
De uma vez por todas.
Incapaz de arrancar de mim
Todo o teu cheiro, todo o teu gosto,
Todo o teu tudo que me permites ter.
E é tão pouco... Apenas uma parte do
Teu ser que quero...
Incapaz de te dizer o quanto,
O como, o desejo e o querer...
Incapaz de te ver partir
Sem te pedir: volta mais uma vez...
Incapaz de imaginar-me sem ti.
Sem o teu pouco dar que me deixa com mais vontade...
Sou tua, nestas horas em que me tocas,
E incapaz de te dizer que desejo ser tua
Em todas as horas, do dia, da noite...
Incapaz... Com medo de te perder de vez...´


09/09/2011

Que queres?

Que queres de mim?
Que procuras em mim?
Que tenho para te dar?
Nada...
Nada que não encontres noutra qualquer...
Nada que não queiras ver, que não queiras ter...
Posso ser tudo. Tudo que quiseres.
Mas nem tu sabes.
Que queres de mim?
O meu amor? O meu ser?
A minha essência? A minha doçura?
O meu desejo? O meu prazer?
Que procuras em mim?
Preencher um vazio da tua vida?
Uma mulher inventada, criada à tua medida?
Que tenho para te dar?
Se tudo o que posso, que sou,  não queres aproveitar?
Queres o meu corpo? A minha vontade? O meu desejo?
Queres o meu querer-te, incondicional, sem criticar-te?
Afinal sabes,
Que queres?


08/09/2011

Alguma vez...

Alguma vez pensaste?
Alguma vez sonhaste?
Alguma vez sentiste?
Não... Nunca viste para além do evidente.
Nunca olhaste para mim, para dentro de mim...
Porque deveria mostrar-te?
Porque deverias receber, ter, usufruir?
Alguma vez te esforçaste?
Alguma vez desejaste?
Alguma vez tentaste?
Não... Nunca te deste.
Nunca acreditaste, nunca quiseste...
Agora, que me perdeste, é tarde...
Alguma vez? Alguma vez me imaginaste
Para além do que está à vista?
Alguma vez imaginaste que eu poderia ser mais
Do que esta? Que poderia ser todas as outras,
Que poderia ser o que querias, desejavas?
Imaginaste? Alguma vez...


07/09/2011