sexta-feira, 11 de maio de 2012

Nunca o dizer...



Sinto a tua língua deslizar na pele húmida dessa água salgada de suor de dois corpos unidos, enlaçados num só, guardando-me o sabor. Gotas desse esforço inesforçado de nos amarmos, deitados um no outro, sedentos desses líquidos que de nós brotam, como fontes de néctares improváveis, únicos. Sinto o teu olhar demorar-se no meu, falando sem palavras, dizendo sem se ouvir um som, de como me gostas, mesmo perfeitamente imperfeita, de como me sentiras a falta depois de vestidos os dias rotineiros, de farpelas condicionadas a todos os outros olhares. Beijos trocados no murmurar de lábios roçantes, sentimentos demonstrados em abraços demorados, não de despedida, à saída, mas de sou teu e sou tua no tempo que dura o durante. E as mãos entrelaçadas, vão deslaçando o emaranhado de dedos que se apertam gritando em silêncio um adeus quando, na verdade, desejamos nunca o dizer...



2012.05.10

3 comentários:

  1. " (...)Sinto o teu olhar demorar-se no meu, falando sem palavras, dizendo sem se ouvir um som, de como me gostas, (...) "

    (...Este é o Sumo... )

    ResponderEliminar
  2. quando o "olhar" fala, tudo o resto é súperfulo...;-)

    1Bj

    ResponderEliminar