segunda-feira, 26 de março de 2012

Melhor sorte...

Tento escrever-te todos os dias. Como era hábito fazer. Como quando sabias que eram para os teus olhos lerem, o teu coração saber.
Hoje, não escrevo. E agora jamais para ti.
Partiste, foste embora, não me voltas a saber as palavras que te eram destinadas.
Outra terás que tas escreverá, que te fará sonhar mais além, mais forte e mais sentido.
Mesmo que não tenhas, não é importante.
O que importa é que te foste, que me deixaste neste mundo de letras soltas sem forma de as encaixar umas nas outras. Como fazia. Sem esforço. Sem pensar. Apenas o meu sentir que nas minha mente fluia, que nos meus dedos convergiam e se uniam em intensas palavras e nunca tão imensas como os meus sentires por ti.
Foste minha inspiração. E expiação.
Foste minha tentação. E meu pecado.
Foste tudo que desejei. Agora não peço nada. Não desejo, apenas peço que os dias sejam, cada dia mais pequenos e que passem depressa, velozes, para que este sentir, que me aperta, seja breve e em mim não se demore.
Hoje escrevo sem mote, sem razão para o fazer.
Talvez ainda pense que me lês, que me sentes.
Então sente. Sente em mim a morte.
A morte do meu querer, da minha razão de viver.
Mas sente apenas hoje porque hoje é o que sinto.
Amanhã, amanhã viverei e terei, sem dúvida, melhor sorte.

22/03/2012

4 comentários:

  1. Às vezes a vida dá-nos a provar venenos doces... lambuzamos-nos, queremos mais... e um dia simplesmente acabam!

    Segue em frente!




    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Vive para ti! Se houver alguém que tenha o privilégio de partilhar contigo, excelente!!
    Caso contrário, a vida continua e há que ser feliz! :)

    ResponderEliminar