terça-feira, 8 de abril de 2014

Possuída


A pele queima e eu só anseio que me tomes pelo braço e me possuas.
E possuída assim, entregrar-me sem noção do que está por vir.

O corpo arde e eu só desejo que me possuas.
E possuída assim, aberta e ao ritmo do teu saber, entregar-me e querer mais.

A carne é vulcão efervescente e só exijo que me possuas.
E possuída assim, sentir fluir de mim todo o suco do meu prazer, todo o jorrar do teu misturado no meu!

Eu sou apenas pecado, nas tuas mãos luxúria, objecto loucamente tomado,
Dado, vencido, apaixonado e amado.



08.Abr.2014

Sem comentários:

Enviar um comentário