sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Queima

Queima!
Nos lábios o suave roçar da tua língua,
Antecipando o sabor que me vicia,
Queima!
Nos seios o húmido calor
De um trilho percorrido devagar,
Aumentam-me a vontade
E o respirar acelera
Forte como o pulsar
Que o sangue no corpo faz correr,
Queima!
E as tuas mãos em mim
São frenéticas,
Fortes me apertam,
Me puxam,
Me marcam a pele,
Queimam!
E o ventre que se contrai,
Desejo incontido,
Louco por esse teu vai-e-vem,
Molhado de suor sal
E do teu gosto também,
Arde, queima!
E só tu podes apagar
Tamanho fogo que em mim,
No meu corpo,
Na minha carne,
Desta insana forma
Sabes criar,
Fazer-me na entranhas do meu ser,
Bem fundo,
Queimar!
Molha-me de ti,
O corpo por inteiro,
Por fora e por dentro!
Mas apaga-me,
Apaga-me o desejo,
Esta vontade que não controlo,
E que em mim sinto,
Apenas porque
Arde, queima!

17/10/2012

6 comentários: