terça-feira, 25 de março de 2014

A pele

A pele
Esta parte de mim
Que não me deixa sem sentir
O toque do tempo,
O passar dos segundos.

A pele que se altera
Ao mais pequeno toque
De brisa no ombro
Despido de preconceitos.

A pele
Esta que se arrepia
Quando o doce sabor dos teu beijos
A inunda de desejos
Que a mente não compreende.

A pele que é permissa
Ao deslizar da tua língua
Molhando-a
Com desenhos de ternura
E laivos de intensa luxúria.

A pele
Esta que me cobre a carne
Que aguça os sentidos,
Anseia pelo prazer
De te ter,
Num emaranhado
Suado,
Da tua pele na minha,
De ti em mim,
Percorrendo-me,
Invandindo-me,
Tomando-me as rédeas
Do comandar-me o prazer.

A pele que me impele
No caminho da perdição
Que é te pertencer,
No sentido do que me diz o coração
Que é amar-te,
Assim,
Plena do que sou,
Inteira de paixão!
 
 
20.Mar.2014

Sem comentários:

Enviar um comentário