sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Amar




Não há um dia em que não pense naquele sentimento.
Surge como do nada, acompanhado de uma brisa com aroma a mar. Ou com as folhas de cor âmbar caídas no passeio, à porta de casa. Ou com a imagem da cidade no espelho que o rio reflecte naqueles instantes em que a água não procura o seu chegar.
E pensa naquele homem, de olhar doce e profundo, de sorriso franco e libertador, carregado de uma esperança que trazia felicidade no andar.
E naquele sentimento.
E atrás dele, um turbilhão de outros mais.
Um sentimento que não descreve de forma fácil, descontraída ou levianamente. Pelo contrário: guarda-os. Prende-os na garganta e empurra-os para baixo. Engole-os. Mas antes mastiga-os, tritura tudo muito bem por entre os dentes cerrados sob os lábios de rubro pintados.
E os seus olhos brilham perante tamanho esforço sufocante. Brilham, primeiro de raiva. E trinca, tritura.
Depois de desilusão. E engole, sôfrega toda a infelicidade.
Por fim, a pena. De si e do que não foi. Ou foram. E tenta saborear cada mínimo pedaço que ficou na sua boca, por deglutir. Tenta reconstruir os sonhos que teve, em cenários que nunca existiram.
E o olhar, de um instante para o outro, deixou de brilhar, tornou-se vibrante, e o corpo, assumiu, respirando profundamente, as rédeas daquele instante.
E partiu. Resolvida a não pensar, a não voltar a viver aquele sentir, que a faz perceber que muitas vezes amar, também é partir.
 
18.Dez.13

2 comentários:

  1. Um excelente regresso aqui. Gostei... como sempre.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bom regressar e reencontrar-te aqui.
      É bom ter alguém que nos espera. Sempre!

      Beijo(te) regressado!

      Eliminar