terça-feira, 19 de julho de 2016

Faltas-me

Faltas-me.
Os momentos em que o dia brilhava apenas com a tua presença. Não a física, que essa era-me indiferente.
Mas com a tua Alma, com a tua essência.
Os momentos em que as noites eram carregadas de sonhos. Não físicos e sexuais, que esses eram-me indiferentes.
Mas com a tua vida, com a tua experiência e vivência.
Os momentos em que o sorriso me acompanhava e as palavras fluiam sem regras, sem medos.
Eu vivia a emoção de uma menina, apaixonada pelas conversas de quem me ensinava. De quem me mostrava que o Mundo não é tão pequeno como eu o sentia. De quem me abria as portas à infinidade de pessoas que nos podem habitar, de quem não se mostra formatado às condicionantes da vida.
Um sentimento que me inundava por inteiro.
Um sentimento que me deixava aberta ao mundo, desperta para a vida e para a beleza que há em cada um de nós.
Contigo cresci mais do que alguma vez pensei.
Contigo fiz-me mulher mesmo antes de te tocar. De sentir o odor, a força do teu abraçar.
Faltas-me.
Nessa medida que é apaixonada estar...
Nessa medida em que me fazias vibrar e arrepiar.
Nessa medida em que especial me fazias sentir, na atenção que me querias dispensar.
Faltas-me.
Por egoísmo, por querer sentir o coração descompassado bater...

19.Jul.2016

Sem comentários:

Enviar um comentário